Cuiabá, quarta-feira, 23/09/2020
05:37:49
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

10/12/2019 às 17:53

MT perde R$ 1,5 bilhão em sonegação e fraudes no setor de combustível

O valor foi apresentado na manhã desta quinta-feira durante reunião da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal

Alline Marques e Amanda Simeone

MT perde R$ 1,5 bilhão em sonegação e fraudes no setor de combustível

Foto: Fablicio Rodrigues / ALMT

O estado de Mato Grosso deixa de arrecadar cerca de R$ 1,5 bilhão no setor de combustível devido à sonegação fiscal e fraudes, somente no ano de 2018, conforme dados da Secretaria de Estado de Fazenda. O valor foi apresentado na manhã desta quinta-feira durante reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito da Renúncia e Sonegação Fiscal pelo relator, deputado Carlos Avalone (PSDB).

Este é o primeiro relatório apresentado como resultado da CPI que foi dividida por setores econômicos para investigar o montante sonegado no estado. Além de apresentar os números, o parlamentar elencou quais são os tipos de fraudes levantadas durante as oitivas e também apresentou recomendações para o governo do estado, Agência Nacional de Petróleo, e aos distribuidores e revendedores de combustível. O documento traz também proposições legislativa para amenizar o problema em Mato Grosso.

De acordo com o deputado, todas as entidades ligadas ao setor apontaram para forte ocorrência de empresas sonegadoras ou inadimplentes na arrecadação de ICMS. “Apesar de ser amplamente divulgado, não se tem o resultado desejado no combater à sonegação existente no segmento”, afirmou Avalone.

O faturamento da cadeia produtiva de combustível é de R$ 20,4 bilhões o que representa 14% do PIB de Mato Grosso.  No entanto, o governo arrecadou somente R$ 2,7 bilhões de ICMS, apenas 26% do total. E o setor contribuiu com 68% (R$ 552 milhões) da arrecadação do Fethab.

A alíquota de ICMS do Diesel é de 17%, da gasolina C é de 25% e do etanol hidratado é de 10,5% interno e 7% interestadual.

Dentre os esquemas praticados, Avalone apontou a sonegação, adulteração do combustível, vendas interestaduais fictícias (compra pra outro estado, mas descarrega em Mato Grosso sem que o ICMS fique no estado), cancelamento de nota, falsa exportação para Bolívia (entra no estado como se fosse para Bolívia, mas descarrega em MT), além do uso de laranjas à frente de distribuidoras.

Já como recomendação, o parlamentar sugeriu a implantação da delegacia de combate aos crimes de Sonegação e Fraudes nos combustíveis, uma vez que o setor corresponde com 26% da arrecadação do estado, além da criação do Núcleo de Inteligência Integrado de Fiscalização e Controle de Combustível no Estado de MT em parceria com o Gaeco.

O tucano solicitou também a sanção da lei 151/2019, de autoria do ex-deputado Guilherme Maluf, aprovada pela Assembleia Legislativa, que propõe a cassação da eficácia da inscrição no cadastro de contribuintes ICMS por fraude metrológica na revenda varejista de combustíveis (aguardando sanção desde 19/11/2019).

Outra recomendação é encaminhar um pacto regional pela equalização das regras da alíquota de ICMS que incide sobre o diesel, revisar o Preço Médio Ponderado ao consumidor final dos combustíveis e aprimorar a transparência e metodologia de eficácia tributária de combustíveis para o aperfeiçoamento da inteligência na repressão e combate à sonegação e ao comércio irregular.

Já para a ANP, a CPI propor restabelecer o Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis da ANP em Mato Grosso com a retomada de credenciamento da Central Analítica de Combustíveis (CEANC/UFMT), criação da força-tarefa de fiscalização a fim de verificar se a portaria do Benzeno – do Ministério do Trabalho Emprego está sendo cumprida e ainda força-tarefa de fiscalização da qualidade e manutenção dos tanques de combustível.

Para as distribuidoras e revendedoras, a sugestão é elaboração de campanha e cartilha de informação ao consumidor do mercado de combustíveis e aplicativo de denúncias sobre fraudes e adulterações de combustíveis em parceria com os órgãos de Defesa do Consumidor.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet