Cuiabá, terça-feira, 18/02/2020
15:09:39
informe o texto

Notícias / Política

18/12/2019 às 14:49

Procuradoria da Bolívia emite ordem de prisão contra Evo Morales

Ministro que prometeu prender ex-presidente anunciou a decisão, baseada em acusações de terrorismo, financiamento de terrorismo e sedição

Leiagora

Procuradoria da Bolívia emite ordem de prisão contra Evo Morales

Foto: Edgard Garrido/Reuters - 15.11.2019

A Procuradoria Geral da Bolívia emitiu uma ordem de prisão contra o ex-presidente Evo Morales, acusado de terrorismo, sedição e financiamento de terrorismo.

A decisão foi tornada pública pelo ministro de Governo, Arturo Murillo, um dos principais representantes da administração da presidenta auto-declarada Jeanine Añez e que já havia jurado colocar Morales na prisão.

A ordem de prisão poderá ser executada a qualquer hora e dia, recorrendo-se ou não à força policial.

Evo Morales está vivendo em refúgio na Argentina, depois de ter renunciado à Presidência da Bolívia em meio a crescentes protestos após sua reeleição em uma votação contestada pela oposição e depois de receber um ultimato das forças militares e policiais do país.

Suposta ligação a líder sindical apoia acusação

As acusações de terrorismo foram apresentadas por deputados da oposição após o surgimento de um vídeo de uma suposta ligação telefônica entre Morales, que já estava refugiado no México, e Faustino Yucra Yarwi, membro do MAS, partido do ex-presidente, e líder sindical.

Na ligação, Morales estaria dizendo à Yarwi como organizar os bloqueios em estradas e empresas durante os protestos que se seguiram ao seu afastamento do cargo.

Piquetes em refinarias e estradas marcaram grandes manifestações de apoiadores de Morales, que denunciavam o golpe de Estado contra o ex-presidente de origem indígena.

Os atos também repudiavam manifestações racistas que surgiram na esteira da renúncia de Evo Morales, especialmente contra a Whipala, a bandeira que representa os povos indígenas bolivianos e que foi incluída no rol de símbolos pátrios.

Durante os protestos antes e depois da renúncia, 32 pessoas morreram. 

 
Redação, R7

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet