Cuiabá, sábado, 19/09/2020
11:29:34
informe o texto

Notícias / Política

22/12/2019 às 10:56

Deputado defende diretor da PJC e critica retorno de delegado transferido 3 vezes em 9 dias

O parlamentar também é contra qualquer interferência da Assembleia Legislativa no assunto e descarta tese de interferência política.

Alline Marques

Deputado defende diretor da PJC e critica retorno de delegado transferido 3 vezes em 9 dias

Foto: Reprodução Facebook

O deputado Claudinei Lopes, que é delegado em Mato Grosso, criticou a decisão que determina o retorno do colega de profissão Lindomar Tofoli à Delegacia de Combate à Corrupção e defendeu a decisão da diretoria da Polícia Judiciária Civil que assinou três portaria de remoção em nove dias contra o profissional. Ele ainda é contra a Assembleia Legislativa interferir no assunto.

Para o parlamentar, a decisão do juiz plantonista Yale Sabo Mendes enfraquece e tira a autonomia da Polícia Civil. Claudinei disse acreditar que a decisão do diretor Geral da PJC, Mário Dermeval Aravechia de Resende, foi técnica e atendeu a necessidade da instituição.

“Eu quero minha instituição mais forte. Esta decisão acaba enfraquecendo a Polícia Judiciária Civil. Entendo a necessidade da polícia e acredito que seja uma decisão técnica. Conheço quem está na direção da polícia e não acredito em interferência política. Acho que a Assembleia não deve interferir nisso. Se o delegado geral entendeu pela transferência é porque tinha interesse que ele fosse pra outro setor ou outra delegacia. Esta decisão vem enfraquecer a questão da hierarquia da PJC”, afirmou em vídeo divulgado nas redes sociais.

Leia mais: Após ser remanejado 3 vezes em 9 dias, delegado consegue liminar e retorna para Fazendária

O deputado comentou também sobre a competência dos delegados afastados e os elogiou, mas reforçou que não acredita na tese de interferência política. Lindomar ingressou com mandado de segurança na justiça alegando que os critérios para remoção não foram respeitados, além de levantar a possibilidade de perseguição política. Ele ficou 11 anos na Delegacia Fazendária.

A crise iniciou após denúncia do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) de que a Delegacia Fazendária estaria sendo usada para investiga-lo. Ele chegou a protocolar um documento solicitando a abertura de uma investigação na Assembleia Legislativa.

Na época, além de Lindomar, o delegado Anderson Veiga também foi afastado da Fazendária. Esta semana a Assembleia Legislativa aprovou a convocação dos dois delegados para prestarem esclarecimentos no plenário sobre a denúncia protocolizada pelo prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) contra Mauro Mendes (DEM) por uso político da Delegacia Fazendária (Defaz). O requerimento foi apresentado pelo deputado Lúdio Cabral (PT). Ainda não há data definida para ida deles.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet