Cuiabá, quarta-feira, 19/02/2020
04:12:17
informe o texto

Notícias / Política

24/12/2019 às 13:16

Políticos tentam 'surfar' na onda bolsonarista para brigar por vaga de Selma no Senado

Medeiros, Barbudo e Galli são os nomes na disputa por apoio do presidente Jair Bolsonaro na disputa para eleição suplementar.

Alline Marques

Com a saída de Selma Arruda (Podemos) do Senado, cassada por caixa 2, abre-se uma lacuna para os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a tendência é que os políticos que surfam na onda bolsonarista tentem aproveitar para preencher a vaga no senador. Dentre os nomes estão o dos deputados federais José Medeiros (Podemos), Nelson Barbudo (PSL) e do ex-deputado Victório Galli (Patriota).

Medeiros que já ocupou uma cadeira no Senado tentar retornar. Ele está cada dia mais afinado com o governo Federal e pode ser um dos candidatos que está realmente mais próximo do presidente. O parlamentar assumiu a vaga no Senado após Pedro Taques sair para assumir o governo do estado e depois foi eleito como deputado federal com 82.528 votos.

Presidente do mesmo partido de Selma, é possível que Medeiros conte até mesmo com o apoio dela para a disputa. Além disso, ele já é apontado como um dos favoritos para a disputa principalmente por sua proximidade com o presidente.

Outro que deve tentar se aproveitar mais uma vez da onda bolsonarista é Nelson Barbudo. Ele foi a grande surpresa da eleição passada tenso sido o mais votado eleito com 126.249 votos. Ele é produtor rural, mas ficou conhecido como youtuber gravando vídeos com conteúdo defendendo os posicionamentos do então deputado federal Jair Bolsonaro. No entanto, recentemente com o racha no PSL, o parlamentar acabou ficando mais próximo da ala do presidente da sigla, Luciano Bivar, e não apoiou o filho do presidente que queria assumir a liderança do partido na Câmara. Ele também está fora da lista dos parlamentares que foram à justiça para sair do PSL.

Barbudo garante que não tem problema de relacionamento com Bolsonaro e deve migrar para o novo partido Aliança pelo Brasil, quando a sigla for oficialmente criada.

Já Victório Galli que foi um dos principais articuladores da campanha de Selma e já declarou que foi traído pela senadora dentro do PSL agora pode voltar à cena na disputa, mas pelo Patriota. Partido conservador e com muita simpatia do presidente. Ele disputou para deputado federal e obteve 52.947 votos, mas não foi eleito. Conhecido por suas declarações polêmicas relacionadas às relações homoafetivas, o deputado conta também com apoio da igreja e espera que sua ligação com as ideologias conservadoras possam levar a obter sucesso na disputa por uma cadeira no Senado.
 
A eleição suplementar para o Senado ainda não tem data para ocorrer e a senadora ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Mesmo assim, as articulações estão intensa para o pleito fora de época que pode ocorrer ainda no primeiro semestre de 2020. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet