Cuiabá, domingo, 23/02/2020
13:33:45
informe o texto

Notícias / Política

11/01/2020 às 10:48

Governo quer evitar gravidez precoce combatendo sexo na adolescência

‘Único método 100% eficaz’, alega

Leiagora

Governo quer evitar gravidez precoce combatendo sexo na adolescência

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos informou nesta 6ª feira (10.jan.2020), em nota, a intenção de criar 1 programa que estimule jovens a não fazer sexo ou adiar o início da vida sexual. O objetivo é o de prevenir a gravidez na adolescência.

De acordo com o órgão comandado pela ministra Damares Alves, os estudos ainda estão sendo aprofundados. “Ainda não é possível apresentá-la em detalhes para a sociedade. Dessa forma, não há uma previsão de quanto deve ser gasto e de quais ações serão realizadas.”

Na nota, o Ministério afirma que existem “estudos científicos” que apontam “resultados exitosos” neste método. O documento cita 1 artigo publicado no site conservador Estudos Nacionais. O texto é feito com base em 3 pesquisas que mostram os benefícios de abordagens educacionais para educação sexual que incentivam abstinência.

Alguns políticos ligados ao governo apoiam a iniciativa. É o caso do pastor e deputado Marco Feliciano (sem partido-SP). Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo na 4ª feira (8.jan), o congressista escreveu que as reações críticas ao programa em formatação são “preconceituosas”.

“A esquerda e a imprensa engajada se levantam liminarmente contra uma política pública de forte viés humanista e de alto conteúdo ético, que certamente seria louvada dentro de qualquer ambiente minimamente racional e erudito”, afirmou.

Segundo Feliciano, o projeto está alinhado com as reivindicações de movimentos de cunho religioso, destacando-se o movimento “Eu Escolhi Esperar“, ligado aos evangélicos.

“Da mesma forma que existe política pública baseada em métodos contraceptivos destinada à parcela dos jovens que deseja ter 1 estilo de vida hedonista, deve igualmente haver política pública para a parcela da população jovem que pretende esperar o momento mais adequado para iniciar ou reiniciar sua vida sexual”, defendeu o deputado no artigo.

O Ministério diz que o programa não irá se contrapor às políticas de estímulo ao uso de preservativos e outros métodos contraceptivos. Afirma que será complementar.

“A proposta é oferecer informações integrais aos adolescentes para que possam avaliar com responsabilidade as consequências de suas escolhas para o seu projeto de vida. Dessa forma, essa política está sendo considerada como estratégia para redução da gravidez na adolescência por ser o único método 100% eficaz.”

A OMS (Organização Mundial de Saúde) define adolescência como sendo o período da vida que começa aos 10 anos e termina aos 19. Atualmente, o Brasil tem 68,4 bebês nascidos de mães adolescentes a cada 1.000 meninas – índice acima da média latino-americana, estimada em 65,5. No mundo, a média é de 46 nascimentos a cada 1.000.

Outro estudo, este realizado pelo Banco Mundial, aponta que 19,7% das brasileiras menores de idade –ou seja, uma a cada 5–  casa-se ainda na infância ou adolescência.

 
Por Poder 360

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet