Cuiabá, terça-feira, 28/01/2020
11:48:03
informe o texto

Notícias / Política

13/01/2020 às 15:22

Mendes diz que reforma da Previdência é para não criar classe de privilegiados

Mendes salientou que o servidor tem que ser um cidadão que tem direitos e deveres igual a todos os mato-grossenses.

Luana Valentim e Amanda Simeone

Mendes diz que reforma da Previdência é para não criar classe de privilegiados

Foto: Giuseppe Feltrin/Leiagora

O governador Mauro Mendes (DEM) defende que a reforma da Previdência é algo que está sendo feito em todo o país e avalia a sua necessidade para que não se crie uma classe de privilegiados, no caso os servidores que são a minoria, em prol de sacrificar o restante da população mato-grossense.

Mendes destacou nesta segunda-feira (13) que a reforma da Previdência que está sendo feita em Mato Grosso não difere do resto do país. Ele disse que é uma obrigação do governo estadual fazer o que consta na Constituição e todos os Estados terão que ter obrigatoriamente a alíquota de 14%, e quem não fizer coloca o Estado inadimplente perante a Previdência Nacional.

“Estando inadimplente com a Previdência Nacional não recebe transferências voluntárias, aval da União, não consegue novos financiamentos e isso praticamente inviabilizaria o Estado. Por isso agradeço aqueles deputados que entenderam isso e que votaram favoravelmente aos 95% da população de Mato Grosso”, ressaltou.

Na semana passada, o projeto de lei que altera de 11% para 14% a alíquota dos servidores e aposentados ativos e inativos do Estado foi aprovado. Na primeira votação, foram 14 votos favoráveis contra 9. Já na segunda votação o texto foi aprovado com 16 votos contra 7. A deputada estadual Janaina Riva (MDB) foi a única parlamentar que não esteve presente nas sessões por problemas de saúde.

Aprovada uma parte, Mendes agora está analisando e discutindo as regras gerais, acreditando que nos próximos 60 dias deverá concluir o debate interno para fechar essas regras e encaminhar para a Assembleia Legislativa.

“Há de se dizer que hoje 95% dos mato-grossenses já estão sobre as regras nacionais, ou seja, o trabalhador da indústria, do comércio, trabalhador do agronegócio e da imprensa se aposentará com 65 anos se for homem e 62 se forem mulheres. Então eu acredito que a AL não vai criar aqui, uma classe de privilegiados permitindo que pessoas se aposentem com 45 anos, pois isso é uma grande injustiça com os 95% da população mato-grossense que não tem esse privilégio estabelecido hoje em lei”, disparou.

O governador pontuou que é preciso legislar para a maioria da população e, apesar de respeitar o servidor, não há como privilegia-los. Mendes salientou que o servidor tem que ser um cidadão que tem direitos e deveres igual a todos os mato-grossenses.

O democrata disse que pelo que viu até agora, o projeto não tem nada que não tenha sido dialogado com o governo anteriormente, por isso não tem pretensão de vetar as emendas apresentadas e aprovadas pela AL.

Lei Federal

A Constituição Federal realmente estabelece a alíquota para 14%, acontece que deve-se descontar dos aposentados ativos e inativos que recebem acima de R$ 5,8 mil. Mas a AL estabeleceu que todos os que recebem acima de R$ 3 mil deverão ter descontos previdenciários.

Sendo assim, o cidadão que recebe R$ 2,999 mil não receberá desconto, mas quem recebe R$ 3001 mil terá e passará a receber, na prática, um valor bem abaixo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet