Cuiabá, quarta-feira, 19/02/2020
03:15:07
informe o texto

Notícias / Política

16/01/2020 às 18:15

Comerciantes e governo entram em rota de colisão após declaração de Mauro Mendes

O presidente da Fecomércio classificou a conduta do governador como 'lamentável'

Edyeverson Hilario

Comerciantes e governo entram em rota de colisão após declaração de Mauro Mendes

Foto: Foto: Giuseppe Feltrin

Uma declaração do Governador, Mauro Mendes (DEM), feita nessa terça-feira (14) não foi bem aceita pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio). A fala, proferida aos profissionais da imprensa foi entendida como um incentivo aos consumidores comprarem produtos pela internet e avaliada como “lamentável” pelo setor.

A crítica feita por Mendes, a decisão de alguns setores aumentarem os preços finais de alguns produtos, como do combustíveis, farmácias e supermercados. Afirmou que a Lei Complementar 631/2019, não aumentou os impostos. Apenas, reduziu os incentivos fiscais concedidos de maneira ilegal na gestão Silval Barbosa (2010-2014).

Disse que os consumidores são sábios e que não vão cair nos "joguinhos" de empresários e que há a regulação do consumidor. “Hoje é muito fácil pesquisar preço em Mato Grosso e em todo Brasil. Então é bom as pessoas (comerciantes) não fazerem joguinhos”.

De forma crítica, o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-MT, José Wenceslau de Souza Júnior, rebateu o governador classificando a sua conduta como "lamentável". Disse que estão pagando até 30% mais caro nos produtos vendidos pelo comércio.

Frisou que o setor movimenta diversos produtos através da compra e venda de bens e mercadoria, além de gerar emprego, renda e arrecadação monetária para os cofres públicos. E ainda alfinetou o chefe do executivo dizendo que os preços fora do Estado costumam sair mais em conta "porque talvez eles tenham a carga tributária mais competitiva, item que Mato Grosso também precisa".

Em tom de ironia disse que “o nosso governador se esqueceu que as compras virtuais não geram emprego, renda e subsistência para o nosso querido MT, mas sim, o enfraquecimento da economia local, e o desânimo dos comerciantes e até a falência de diversas empresas”.

Ainda ressaltou que “o consumidor não pode esperar por 10 dias a chegada de medicamentos, combustíveis e outros produtos essenciais”, comuns em compras online.

Por fim, disse que espera que as promessas feitas na campanha eleitoral sejam cumpridas, e que o ele busque o fomento da economia estadual e o “enxugamento” da máquina pública. “Pois ao invés de diminuir os gastos, o governo optou em "jogar" para os ombros dos consumidores a responsabilidade de erguer a receita do Estado, através da aquisição de produtos com carga tributária exacerbada”.

Outro lado

Em nota, Mauro Mendes disse que “não incentivou ou defendeu qualquer campanha para que a população passe a adquirir produtos no comércio eletrônico de outros Estados, em decorrência de supostos aumentos de preços no mercado interno”.

Disse que a Lei Complementar 631/19 trouxe maior competitividade e segurança jurídica para o comércio, uma vez que “existiam empresas do mesmo segmento e com benefícios diferentes”.

E que o governo preza e defende é a livre iniciativa, um mercado competitivo, aberto e que possa ser atraente para os consumidores, lucrativo e que gere emprego e renda.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet