Cuiabá, quarta-feira, 26/02/2020
15:35:01
informe o texto

Notícias / Judiciário

29/01/2020 às 11:26

Ambev consegue na justiça incentivos fiscais até 2032

A liminar reverte uma decisão do Estado

Luana Valentim

Ambev consegue na justiça incentivos fiscais até 2032

Foto: Reprodução da Internet

O juiz da 3ª Vara Especializada de Fazenda Pública João Thiago de França Guerra reverteu uma decisão do Estado e deferiu o pedido de liminar determinando que seja mantido o beneficio fiscal à empresa Ambev até 2032.

A Ambev popôs um mandado de segurança com pedido liminar contra suposto ato coator praticado pelo secretário-adjunto da Receita Pública sustentando, em síntese, que o Decreto Estadual n. 273/2019, ao regulamentar a Lei Complementar Estadual n. 631/2019, extrapolou os limites do poder regulamentar, ofendendo com isso a legalidade e a segurança jurídica.

“Ao tratar do novo prazo de vigência do benefício fiscal após a sua reinstituição, o artigo 48, da LC (MT) nº 631/19 determina que o benefício fiscal objeto do artigo 44, Anexo V, do RICMS/MT, passaria a ser concedido por prazo determinado, de acordo com o quanto fixado pelos incisos I a V, da Cláusula Décima do Convênio ICMS nº 190/17 e o §2º, incisos I a V, do artigo 3º, da LC nº 160/17, ou seja, com termo final em 1/12/2032 para a saída interna de cerveja e chope objeto de industrialização; e 31/12/2022, para a saída interna de cerveja e chope objeto de atividade comercial no território mato-grossense (...)”.

A empresa alegou que foi surpreendida pela edição do Decreto (MT) nº 273/19 e disse que sob o pretexto de “regulamentar” a Lei Complementar, o Poder Executivo, de maneira unilateral, acabou por dar nova redação que tratava do benefício fiscal ora discutido, à revelia do quanto disposto na LC (MT) nº 631/19.

A Ambev defendeu que, ao fixar o prazo da fruição até 31 de dezembro de 2019, o Estado violou o direito líquido da empresa de ter esse benefício limitado mediante devido e legítimo processo legislativo no caso, em observância da Lei Complementar que o Decreto busca “regulamentar”, é dizer, por publicação de lei, respeitado, assim os prazos dispostos na Lei Complementar (MT) 631/19 c/c LC nº 160/17 e Convênio ICMS nº 190/17.

“O tema em discussão neste mandado de segurança consiste na verificação da eventual ilegalidade atribuída ao Secretário Adjunto da Receita Pública que, segundo a impetrante, está prestes a impor a impetrante o cumprimento de norma tributária ilegal, materializada no Decreto nº 273/2019, especialmente o termo final de fruição do benefício fiscal previsto no artigo 44 do Anexo V do RICMS/MT, que disciplina as operações internas com cervejas e chopes”.

Segundo a empresa, a administração fazendária pretende cessar o benefício no dia 31 de dezembro de 2019, com base no decreto quando deveria, em verdade, observar o termo final previsto na LCE nº 631/19, LC nº 160/17 e Convênio ICMS nº 190/17, que estipula o dia 31 de dezembro de 2032, para a aplicação do benefício fiscal à atividade industrial, e 31 de dezembro de 2022, para a aplicação do benefício fiscal relativo às atividades comerciais.

Diante do conflito identificado, o magistrado afirmou que deve prevalecer a norma hierarquicamente superior, pelo que devem ser sustados os efeitos concretos do Decreto Estadual em relação à empresa por ter restringido indevidamente o tempo de vigência do benefício fiscal concedido por Lei.

Sendo assim, deferiu o pedido de liminar em favor da empresa desconsiderando as restrições introduzidas pelo Decreto Estadual e observando os prazos de vigência de vigência previstos no §2º do artigo 3º da Lei Complementar Federal nº 160/2017, sob pena de desobediência.

O juiz deu prazo de 10 dias para que o Estado se manifeste, caso ache necessário. Após, com ou sem manifestação, dê-se vista ao Ministério Público.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet