Cuiabá, sexta-feira, 10/07/2020
20:56:41
informe o texto

Notícias / Política

03/02/2020 às 13:37

'Calma, vai dar tudo certo', diz Alcolumbre sobre situação de Juíza Selma

O presidente do Senado não informou se já há uma previsão de data para que a Casa declare a vacância do cargo

Leiagora

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), desconversou nesta segunda-feira (3) ao ser questionado sobre a situação da senadora Juíza Selma (Podemos), pelo Mato Grosso, cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por caixa 2 e abuso de poder econômico. O presidente do Senado não informou se já há uma previsão de data para que a Casa declare a vacância do cargo.

Conforme revelou o Estado/Broadcast em dezembro, Selma deve sobreviver no mandato pelo menos até fevereiro, mantendo direito a imóvel funcional, cota parlamentar e um salário mensal de R$ 33,7 mil.

Por determinação do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, o terceiro colocado nas eleições ao Senado no Estado deve assumir interinamente a cadeira da ex-juíza Selma Arruda até a realização de novas eleições, em abril.

Dessa forma, o ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD), que ficou em terceiro lugar em 2018, com 15% dos votos, fica com a vaga temporariamente. Pela decisão de Toffoli, que atendeu a pedidos do PSD e do governo do Mato Grosso, Fávaro deve permanecer na cadeira até a realização de novas eleições no Estado, previstas para ocorrerem em abril a um custo de R$ 9 milhões aos cofres públicos.

No entanto, para a troca ser efetivada, é preciso que o Senado declare antes a vacância do cargo. Na prática, a decisão de Toffoli aumenta a pressão sobre Alcolumbre, que tem adiado um desfecho para o caso. "Calma, que vai dar tudo certo", disse Alcolumbre, ao ser questionado pela reportagem sobre a situação da senadora.

Cassação

A cassação de Selma, por 6 a 1, se deu por suposto caixa dois de R$ 1,2 milhão. Segundo a quebra de sigilo, os valores, que foram gastos pela ex-juíza em sua campanha, haviam sido transferidos por seu primeiro suplente, Gilberto Possamai.

As transferências ocorreram antes do período eleitoral, o que teria possibilitado gastos com a campanha antecipadamente, com a contratação de empresas de pesquisa e de marketing (para a produção de vídeos, jingles e fotos) em período de pré-campanha, o que é proibido pela legislação.

Selma ficou famosa em Mato Grosso como "Sérgio Moro de saias", por sua pena pesada em ações criminais contra políticos e servidores públicos. Ela mandou prender o ex-governador Silval Barbosa (MT) e empresários influentes no Estado, em 2017. Selma também condenou a 26 anos e sete meses de prisão o ex-deputado José Riva por "escabroso esquema" na presidência da Assembleia Legislativa de Mato Grosso.
Estadão Conteúdo

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet