Cuiabá, sábado, 19/09/2020
04:13:39
informe o texto

Notícias / Política

14/02/2020 às 10:45

CPI do Paletó termina em bate-boca após solicitação de sigilo e suspensão dos trabalhos

Toninho de Souza a suspensão dos trabalhos até que documentos sejam entregues por órgãos que investigam o prefeito. Já Joelson pediu que as sessões sejam sigilosas.

Alline Marques

CPI do Paletó termina em bate-boca após solicitação de sigilo e suspensão dos trabalhos

Foto: Assessoria

A reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) terminou em confusão e bate-boca nesta sexta-feira (14). Requerimentos apresentados pelos vereadores Toninho de Souza (PSD) e Sargento Joelson (PSC), relator e membro da CPI, causaram alvoroço e revolta nos parlamentares de oposição que acompanhavam a sessão.

O social democrata apresentou dois requerimentos. O primeiro pedia a juntada de documentos dos órgãos de controle que já investigaram o caso. O segundo pedia a suspensão dos trabalhos da Comissão até que esses documentos fossem entregues.

Para o parlamentar, essas informações são essências para embasar as atividades que serão desenvolvidos pelo grupo. Joelson também apresentou dois requerimentos. O social cristão pede para que todas as decisões da Comissão sejam tomadas em colegiado por maioria dos votos, o que daria respaldo para a base do prefeito, uma vez que ele e Toninho votariam em conjunto contra o presidente da CPI, Marcelo Bussiki (PSB), que compõe a base. Ele ainda solicitou que, de agora em diante, as sessões passassem a ser sigilosas.

Os pedidos geraram tumulto no auditório. Os vereadores Diego Guimarães (PP), Felipe Wellaton (PV), Abílio Junior (PSC) e Wilson Kero Kero (PSL) se revoltaram com os requerimentos que classificaram como “absurdos” e começar a gritar para os vereadores Toninho e Joelson: “pau mandado do prefeito, capacho do prefeito, vendidos”.

Os ânimos ficaram exaltados e foram contidos somente após o presidente da Comissão tomar as rédeas da reunião. Todos os requerimentos foram recebidos por ele, e uma nova reunião será marcada para deliberação.

Ao decretar o fim da sessão, a confusão começou novamente. Enquanto Abílio chamava Toninho de “pau mandado”, o social democrata revidava o chamando de ex-vereador, devido ao processo de cassação que está prestes a ser votado em plenário.

A CPI contra o prefeito foi instaurada em novembro de 2017 a fim de apurar suposto recebimento de vantagens indevidas por parte de Pinheiro á época em que exercia o mandato de deputado estadual. 

A investigação é reflexo de um vídeo, no qual o emedebista aparece recebendo maços de dinheiro das mãos do ex-chefe de gabinete de Silval. Conforme a delação premiada do ex-governador, o dinheiro era um tipo de mensalinho pago aos parlamentares durante a sua gestão em troca de apoio na Assembleia Legislativa.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet