Cuiabá, quarta-feira, 08/04/2020
13:35:19
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

17/02/2020 às 11:28

Brasileiros recorrem ao crédito rotativo, apesar de alto custo

Em dezembro do ano passado, foram R$ 41,1 milhões concedidos, ante R$ 34,2 milhões no mesmo período de 2018 - o que significa um aumento de 20%.

Leiagora

Brasileiros recorrem ao crédito rotativo, apesar de alto custo

Foto: Ilustrativa

A quantidade de dinheiro emprestado via crédito rotativo no cartão aumentou. Em dezembro do ano passado, foram R$ 41,1 milhões concedidos, ante R$ 34,2 milhões no mesmo período de 2018 - o que significa um aumento de 20% do crédito concedido nesta modalidade.

O cliente entra no "rotativo do cartão" quando não efetua o pagamento completo da fatura e quita apenas o valor mínimo ou atrasa a data de vencimento da conta. Dentro disso, o que também aumentou foi a inadimplência: do valor total emprestado no rotativo, R$ 25,1 milhões dizem respeito a faturas atrasadas. Em 2018, esse valor era de R$ 19,9 milhões. Os dados são do Banco Central.

Na busca de conhecer melhor os hábitos de quem usa regularmente o cartão de crédito e de entender o que leva o brasileiro a continuar adquirindo esse tipo de empréstimo emergencial, o Guiabolso - aplicativo de gestão financeira - realizou uma pesquisa com seus usuários.

O estudo concluiu que quanto menor a renda do consumidor, mais ele usa, proporcionalmente, o limite disponível. A pesquisa dividiu os cartões em três grupos: Gold, relativo aos usuários que têm renda de R$ 1 mil a R$ 7 mil; Platinum, de R$ 7 mil a R$ 15 mil; e Black, acima de R$ 15 mil. Para a faixa salarial mais baixa, chega a 13% o grupo de pessoas que usaram mais de 50% do limite. Já para a mais alta, essa porcentagem é de 10%.

"A diferença pode parecer pequena, mas estamos falando de 30% a mais de pessoas na faixa salarial mais baixa que comprometem acima de 50% do seu limite no cartão de crédito", diz o diretor de Produto e Tecnologia do Guiabolso, Julio Duran.

Ele explica que o crédito liberado pelo emissor do cartão é o resultado da análise da renda do cliente somado ao seu relacionamento com o banco e seu histórico de pagamento. O problema no orçamento, no entanto, costuma acontecer quando o consumidor passa a contar com o crédito do cartão para dar conta dos seus gastos.

"O risco de ter um limite muito grande é 'ter corda para se enforcar' e cair no rotativo, que é um crédito caro", diz Duran.

Custa mais. De fato, essa modalidade de empréstimo pesa no orçamento. A taxa de juros média do crédito rotativo subiu 0,6 ponto porcentual em dezembro em relação a novembro. Assim, ela fechou 2019 em impressionantes 318,9% ao ano. No ano, o crescimento foi de 33,5 pontos porcentuais.

"O banco avalia os riscos de emprestar o dinheiro e não o risco para o orçamento do cliente. A instituição espera que, uma vez que o cliente é considerado bom pagador, se houver uma emergência, ele vai parcelar a fatura. Essas empresas contam, sim, que uma hora o cliente vai extrapolar e cair no rotativo", diz o planejador financeiro pela Planejar, Janser Rojo.

Para ele, o maior uso proporcional do limite por pessoas que têm renda mais baixa mostra que, como neste caso a quantidade de crédito oferecida também é menor, é mais fácil consumi-la. Além disso, ele pontua que, em geral, quanto mais baixa é a faixa salarial, menor costuma ser a educação financeira dessas famílias. "Quem ganha menos pode acabar sendo mais dependente do uso do cartão", concorda Julio Duran. Essa dependência, em geral está ligada à falta de conhecimento dos reais custos de um crédito que está, literalmente, à mão.

Facilidade

É consenso entre os especialistas que a rapidez em acessar os créditos emergenciais como o rotativo do cartão e o cheque especial é o que mais contribui para o seu uso irresponsável. "Hoje os gastos com o cartão de crédito são muito rápidos e parecem inofensivos. É uma corrida no aplicativo de transporte, um pedido de delivery em outra plataforma e, quando você vê, a fatura do mês te surpreende", diz Duran, do Guiabolso.

Para aprender a lidar com as armadilhas que o crédito dessa modalidade traz para o consumidor, o planejador Janser Rojo indica que, na hora de estabelecer o orçamento do mês, o consumidor divida seus gastos por categorias, indicando o quanto ele pode gastar em cada área da sua vida como alimentação, diversão, vestuário, aluguel, entre outras.

Sendo assim, o ideal é que só se use o cartão de crédito quando houver dinheiro disponível para aquela parte do orçamento. "Quando o cartão de crédito é usado desta maneira, só há vantagens e o risco de cair no rotativo fica longe. É possível aproveitar as milhas, os programas de cashback e ainda ter a vantagem de manter o dinheiro em conta até o vencimento da fatura", diz Rojo.

Já para quem tem problemas recorrentes com as faturas do cartão, a solução pode ser um pouco mais agressiva. Nesse caso, os especialistas recomendam que o consumidor peça ao banco para reduzir o seu limite disponível, de maneira a forçá-lo a reduzir seus gastos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.Talita Nascimento

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet