Cuiabá, terça-feira, 07/04/2020
10:14:23
informe o texto

Notícias / Judiciário

20/02/2020 às 09:30

Juiz envia denúncias de cabo Gerson para Corregedoria de Justiça investigar Selma

O cabo da PM reafirmou denúncias contra a juíza aposentada e promotores do Gaeco no último dia 13

Camilla Zeni

Juiz envia denúncias de cabo Gerson para Corregedoria de Justiça investigar Selma

Foto: Assessoria/Senado

O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, determinou que a gravação das declarações do cabo PM Gerson Luiz Correa Junior seja enviada para que a Corregedoria-Geral de Justiça investigue Selma Arruda. 

A decisão, dessa quarta-feira (19), leva em consideração as denúncias feitas por Gerson, de que promotores do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), onde ele atuava, e Selma Arruda, teriam praticado irregularidades durante as investigações. 

As informações vieram à público inicialmente com a Grampolândia Pantaneira, que apura um esquema de interceptações telefônicas orquestrado por membros da Polícia Militar e governo Pedro Taques (PSDB). 

Na 11ª Vara Militar, Gerson passou por três interrogatórios e revelou esquemas de escutas clandestinas também no Gaeco, além da participação de Selma Arruda. No dia 13 de fevereiro, o militar reafirmou as declarações, quando foi ouvido pelo juiz Jorge Tadeu, no âmbito da operação Ouro de Tolo.

Juíza aposentada, e hoje senadora cassada, Selma atuou na 7ª Vara Criminal nos seus últimos anos de magistratura, e foi a responsável por decisões nas operações Arqueiro e Ouro de Tolo. Elas apuraram um esquema de desvio de dinheiro dentro do governo Silval Barbosa, que resultou inclusive na prisão da ex-primeira dama e ex-secretária Roseli Barbosa.


Uma cópia das declarações de Gerson também deve ser enviada para a Corregedoria-Geral de Justiça, para investigação dos promotores e procuradores citados por Gerson. Foram eles: Célio Wilson, Marco Aurélio de Castro, Marcos Bulhões, Marcos Regenold, Samuel Frungillo e Paulo Prado.

Cabe destacar, no entanto, que a Procuradoria-Geral de Justiça já havia aberto investigação contra seus membros denunciados por Gerson, justamente depois das declarações do militar. Apenas o promotor Marco Aurélio acabou denunciado à Justiça. As demais investigações foram arquivadas.


O magistrado também autorizou o compartilhamento de provas da Grampolândia com advogados dos denunciados pela operação Arqueiro. O pedido foi feito justamente depois que Gerson prestou depoimento e revelou as ilegalidades cometidas na investigação. A intenção dos advogados é pedir a nulidade da operação.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet