Cuiabá, quarta-feira, 08/04/2020
21:29:55
informe o texto

Notícias / Política

26/02/2020 às 19:00

PSOL pede a Aras investigação sobre apoio de Bolsonaro a ato contra Congresso

A sigla pede que Bolsonaro e seus aliados sejam investigado por supostamente "atacar a democracia"

Leiagora

PSOL pede a Aras investigação sobre apoio de Bolsonaro a ato contra Congresso

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 O PSOL protocolou nesta quarta-feira (26), pedido de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro na Procuradoria-Geral da República. A sigla solicita a Augusto Aras, chefe do Ministério Público, que abra investigação para punir o presidente por divulgar vídeo pelo WhatsApp convocando manifestantes para atos anti-Congresso. O caso foi revelado nesta terça (25), pelo Estado.

A sigla pede a Aras que abra investigação para autuar e responsabilizar "Bolsonaro e seus aliados que também estejam convocando a população para atacar a democracia".

"Não restam dúvidas de que os representantes do atual governo, especialmente o Presidente da República, não possuem qualquer apreço pela democracia e sequer reconhecem ou compreendem o papel de instituições como o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal para a consolidação do Estado Democrático de Direito", afirma o partido.

Segundo o PSOL, o compartilhamento de mensagens que "incentivam o acirramento político e ameaçam o funcionamento das instituições democráticas" demandam investigações do Ministério Público Federal.

"É inquestionável que no regime democrático o Presidente da República e seus Ministros se submetem à Constituição Federal e às leis vigentes, devendo respeitar e prezar pelo livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação", afirma o partido.

O PSOL cobra ainda que seja apurado a origem, financiamento e produção do vídeo divulgado por Bolsonaro.

A gravação divulgada exibe a facada que o então candidato à Presidência sofreu em Juiz de Fora (MG), em setembro de 2018, para dizer que o presidente "quase morreu" para defender o País e que agora precisa "que as pessoas vão às ruas para defendê-lo". A mensagem que acompanha o vídeo afirma: "- 15 de março/Gen Heleno/Cap Bolsonaro/O Brasil é nosso, não dos políticos de sempre".

Mais cedo, o presidente afirmou se tratar de "troca de mensagens de cunho pessoal, de forma reservada". Lideranças políticas repudiaram o ato. Ministros do Supremo Tribunal Federal também se manifestaram sobre o caso, em especial Celso de Mello, que advertiu que o presidente não está "à altura do altíssimo cargo que exerce".

Com a palavra, o presidente da república Jair Bolsonar

A reportagem entrou em contato, por e-mail, com o Palácio do Planalto e aguarda resposta. Mais cedo, pelas redes sociais, Bolsonaro escreveu: "Tenho 35Mi de seguidores em minhas mídias sociais, c/ notícias não divulgadas por parte da imprensa tradicional. No Whatsapp, algumas dezenas de amigos onde trocamos mensagens de cunho pessoal. Qualquer ilação fora desse contexto são tentativas rasteiras de tumultuar a República."
 
Estadão Contéudo

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet