Cuiabá, quinta-feira, 09/04/2020
14:17:52
informe o texto

Notícias / Judiciário

26/03/2020 às 09:40

Justiça não autoriza Hospital Santa Rosa a voltar com procedimentos eletivos

Hospital está impedido por um decreto municipal, diante do coronavírus

Leiagora

Justiça não autoriza Hospital Santa Rosa a voltar com procedimentos eletivos

Foto: Assessoria

O juiz da 5ª Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá, Roberto Teixeira Seror, negou pedido do Hospital Santa Rosa para que a unidade voltasse a realizar procedimentos médicos eletivos.

Em sua decisão, dessa quarta-feira (25), o magistrado considerou que o Brasil se encontra em situação excepcional de perigo público, por conta da pandemia causada pelo novo coronavírus, e que as medidas adotadas pelo poder público devem ser respeitadas.
 
A decisão foi tomada em uma ação movida pelo hospital contra o Município de Cuiabá. A unidade pretendia, liminarmente, suspender os efeitos do art. 11 do Decreto nº 7849/2020, que proibe a realização de procedimentos eletivos nas unidades médicas do município. Entre eles, o agendamento de atendimentos ambulatoriais e cirurgias. A medida vale até o dia 5 de abril e pode ser prorrogada, segundo o decreto.
  
“É da sabença de todos que o mundo está atravessando um período de grande apreensão devido à pandemia mundial causada pelo Coronavírus – COVID-19. A situação se reveste da maior gravidade, e o próprio ministro da Saúde, senhor Luiz Henrique Mandetta, em declaração pública, alertou que dentro de algumas semanas – no mês de abril – o sistema de saúde brasileiro entrará em colapso”, ponderou o magistrado.
 
Ele destacou que, por se tratar de situação excepcional, de perigo público, o Poder Público pode intervir no domínio privado, com intuito de resguardar a saúde da população, como prevê a Constituição Federal em seu artigo 5º, citando o item XXV.

"No caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano", reproduziu.
 
Seror lembra que o artigo 11 se refere a rede pública de saúde, que no âmbito municipal é composto três hospitais (Hospital São Benedito, Hospital Municipal de Cuiabá e Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá), mas se necessário, em um eventual agravamento da situação, o Município poderá se utilizar de hospitais particulares para atingir os fins sociais pretendidos, “pois aí o direito de propriedade cede ao direito da coletividade, conforme o art. 5o, XXIII da Constituição Federal”, argumentou.
 
“Sendo assim, e dentro deste contexto, a petição inicial deve ser indeferida, por falta de interesse processual”, finalizou.
Com assessoria

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet