Cuiabá, sábado, 06/06/2020
03:31:06
informe o texto

Notícias / Política

02/04/2020 às 16:53

OAB sugere que AL e Câmaras suspendam pagamento de VI durante pandemia

Entidade quer que valor seja usado em ações de combate ao coronavírus em MT

Camilla Zeni

OAB sugere que AL e Câmaras suspendam pagamento de VI durante pandemia

Foto: Assessoria

A  Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT) sugeriu à Assembleia Legislativa (ALMT) que suspenda o pagamento da verba indenizatória e destine esses recursos às ações de combate ao novo coronavírus.
    
“É uma situação que demanda esforços de todos. Somente com a união de esforços poderemos minimizar os impactos desta crise”, avaliou o presidente da OAB-MT, Leonardo Campos. A sugestão foi feito formalmente, via ofício. 

Apesar de já ter anunciado a devolução de R$ 30 milhões que foram economizados pelo Legislativo em 2019, e pedido a destinação ao combate ao vírus, os deputados não entraram em consenso quanto a suspensão da VI.


Atualmente, cada deputado estadual recebe R$ 65 mil como verba indenizatória, que deve ser usada para suprir gastos do gabinete. No total, o valor acumulado ao mês é de R$ 1,5 milhão. 

A mesma sugestão de suspensão das verbas indenizatórias foi enviada 
à União das Câmaras Municipais de Mato Grosso (UCMMAT), para que a entidade oriente os legislativos municipais a procederem da mesma maneira. O valor das verbas indenizatórias nas Câmaras, porém, depende de cada município. Em Cuiabá o montante é de R$ 18,9 mil.

De acordo com o governador Mauro Mendes (DEM), a estimativa do governo é que as medidas adotadas pelo estado para prevenção à doença consumam, em quatro meses, R$ 150 milhões.

Ainda de acordo com o governador, os valores que têm sido repassados pelo Governo Federal não são suficientes para cobrir o rombo que os cofres estaduais vão enfrentar nesse período. 

Em transmissão nas redes sociais nesta quarta-feira (2), Mauro lembrou que, no mês de março, o governo Federal anunciou a recomposição dos Fundos de Participação de Estados (FPE) e dos municípios (FPM). Contudo, esse valor, que representa até 70% das receitas em outros estados, não passa de 11% da arrecadação mensal do Estado. 

Mauro Mendes também projetou que, no mês de abril, a arrecadação do ICMS sofra queda de até 50% - porcentagem que o estado pretende contornar para que não se repita em outros meses.

 
Com assessoria

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet