Cuiabá, sexta-feira, 29/05/2020
06:53:36
informe o texto

Notícias / Política

06/04/2020 às 16:00

Após derrotas na justiça, Mauro diz que decisão do que 'abre e fecha' será dos prefeitos

Governador disse que não vai questinar decisão da Justiça e responsabilidade sobre prevenção ao coronavírus

Camilla Zeni

Após derrotas na justiça, Mauro diz que decisão do que 'abre e fecha' será dos prefeitos

Foto: Assessoria

O Governo de Mato Grosso vai respeitar a decisão judicial que desobrigou os municípios a se submeterem às normas do estado para a prevenção ao novo coronavírus. O chefe do Executivo, Mauro Mendes (DEM), reconheceu que os prefeitos têm autonomia para tomar decisões e que também devem arcar com as responsabilidades sobre elas.

“O Governo do Estado deu uma orientação via decreto de como isso deve acontecer. Porém, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça entenderam que isso é um papel dos municípios. Então, a partir de agora, quem vai abrir ou fechar comércio ou qualquer outra atividade são os prefeitos de Mato Grosso. Se mantiver aberto, responsabilidade deles. Se fechar, responsabilidade deles. O governo não irá questionar isso”, disse Mauro.

A declaração foi dada na manhã desta segunda-feira (6), durante coletiva de imprensa no canteiro de obras do Hospital Metropolitano, em Várzea Grande. No local o governo constrói 200 leitos para atender os pacientes do coronavírus.

No fim da noite de sexta-feira (3), o desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Orlando Perri, decidiu suspender os efeitos dos artigos 6º e 7º do decreto n. 432/2020, editado no dia 31 de março.

Na prática, a Justiça deu mais autonomia para as prefeituras, que não precisam submeter à quarentena apenas as pessoas que fazem parte do grupo de risco, e também não devem esperar que a Secretaria de Estado de Saúde reconheça o tipo de transmissão viral enfrentada no município. 

Perri observou que os trechos do decreto que foram suspensos limitavam o poder dos municípios de adotar suas próprias medidas de prevenção, o que não poderia ser permitido. A decisão do desembargador vale até o Órgão Especial do TJ analisar o caso em conjunto.

Além dessa decisão, o Judiciário também já interferiu em outros decretos de Mauro, em ação movida pelo prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB). O prefeito alegou que o governador feriu a legislação quando usurpou competência da prefeitura pra decretar o fechamento ou a abertura de determinados setores econômicos. Essa situação, segundo Pinheiro, deixava  a população confusa, que não sabia qual decreto seguir.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet