Cuiabá, sexta-feira, 03/07/2020
21:16:50
informe o texto

Notícias / Política

30/04/2020 às 11:11

Ignorado após saída de Mandetta, governo se reúne com novo ministro: ‘cardápio de demandas’

Mato Grosso cobra a liberação de equipamentos que já foram comprados e não entregues

Camilla Zeni

Ignorado após saída de Mandetta, governo se reúne com novo ministro: ‘cardápio de demandas’

Foto: Secom

Desde a saída do ex-ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, no dia 16 de abril, o governo de Mato Grosso ficou deixado de lado pela Pasta que enfrenta uma das maiores crises desse ano. Lutando contra uma pandemia, o Estado acumulou um “cardápio de demandas”, que deve ser exposto em reunião nesta quinta-feira (30) com o novo ministro, Nelson Teich.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, essa vai ser a primeira reunião do governo com o novo chefe da Saúde, e cobranças serão feitas. O governo quer que o Ministério da Saúde libere a entrega de equipamentos que foram comprados para combate à pandemia do novo coronavírus, como respiradores mecânicos, que são hoje a maior demanda no Brasil.

Atualmente, em razão da crise provocada pela doença, que é altamente contagiosa, o Ministério da Saúde fez o recolhimento compulsório dos equipamentos produzidos no Brasil. O objetivo é que a Pasta faça o gerenciamento dos itens e os distribua para os estados que mais precisarem deles. 

Conforme a última atualização do cenário do vírus, feita nessa quarta-feira (29), o Estado com maior dificuldade é São Paulo, com mais de 26 mil pessoas infectadas e 2.247 mortos. Depois, o Rio de Janeiro, com 8,8 mil infectados e 794 óbitos registrados. 

Fora do Sudeste, que contabiliza 49,8% dos casos de coronavírus, o Amazonas também tem chamado a atenção. Por lá são 4,8 mil infectados e 380 mortes. Em Mato Grosso, porém, a situação é mais “controlada”, sendo 292 casos confirmados de infecção e 11 mortes. 

Com esse cenário, Mato Grosso quase não recebe recursos do governo federal. Quando o Ministério enviou 40 milhões de equipamentos de proteção, por exemplo, o Estado recebeu menos de 1% dos itens.

A dificuldade de diálogo, porém, não é exclusiva de Mato Grosso. Segundo o secretário de Saúde, que também é vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), nenhum dos secretários estava conseguindo acesso a Nelson Teich. 

“Não há como enfrentar uma pandemia sem que o Sistema Único de Saúde esteja sendo ouvido por aqueles que estão na ponta das operações”, avaliou Gilberto.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet