Cuiabá, sábado, 04/07/2020
06:12:31
informe o texto

Notícias / Política

15/05/2020 às 18:00

Após lei de reajustes de salário, Mendes anuncia fim de 4 mil cargos

A medida, de acordo com informações divulgadas pelo governo, irá gerar uma economia potencial de R$ 221 milhões por ano

Alline Marques

Após lei de reajustes de salário, Mendes anuncia fim de 4 mil cargos

Foto: Christiano Antonucci

Após a aprovação polêmica da mensagem 50/2020, que prevê a alteração de várias leis complementares, rajusta salários de presidentes de autarquias e fundações, revisa o percentual pago a servidores efetivos a cargos comissionados, entre outras medidas, estava a permissão de extingir cargos por decreto, e em menos de 24 horas, o governador Mauro Mendes (DEM) já colocou em prática a extinção de 4.183 cargos existentes na estrutura do Poder Executivo Estadual. 

A medida, de acordo com informações divulgadas pelo governo, irá gerar uma economia potencial de R$ 221 milhões por ano aos cofres públicos. A medida só foi possível em razão da aprovação da Lei Complementar 662/2020, pela Assembleia Legislativa na noite de quinta-feira (14).

A extinção foi assinada na tarde desta sexta-feira (15.05) e deverá ser publicada em edição extra do Diário Oficial. “Essa otimização na estrutura da máquina pública permitiu que pudéssemos extinguir milhares de cargos sem comprometer a qualidade do nosso serviço e gerando economia aos cofres públicos”, destacou o governador Mauro Mendes.

O objetivo do governo é tornar a máquina mais enxuta, cumprindo com compromisso assumido junto à população de reduzir os gastos públicos, sem causar qualquer prejuízo à prestação do serviço aos cidadãos. 

O corte nos cargos faz parte da mesma lei que regulou os valores recebidos por servidores efetivos quando ocupam cargos comissionados, para evitar a contratação desnecessária de servidores em comissão. Com a aprovação, ao invés de o Estado contratar um grande número de comissionados, sem vínculo com o Estado, e pagar o valor integral do DGA, pode optar por usar os efetivos, pagando uma porcentagem adequada. 

O governo defendeu ainda que a mensagem encaminhada à Assembleia atendendo uma reivindicação antiga do Fórum Sindical e valoriza o servidor de carreira. Dessa forma, além de garantir uma grande economia aos cofres públicos, o Estado poderá contar, nas funções de chefia e direção, com mais servidores efetivos e que já possuem experiência na administração, o que garante eficiência.

A Lei aprovada pelos deputados também traz economia aos cofres públicos no que diz respeito às nomeações de DGA. Porque o Governo está obrigado a nomear 60% das funções/cargos comissionados de servidores efetivos. Antes da aprovação da lei, 100% dos função/cargos poderiam ser ocupados por servidores exclusivamente comissionados, ou seja, da iniciativa privada. 

Com a alteração, o Estado passa a ter uma economia potencial aproximadamente de R$ 40 milhões, visto que para os efetivos o valor pago pelo DGA é inferior ao de um contratado.

Argumento da oposição

Apesar da garantia de economia, de acordo com a oposição, atualmente os cargos comissionados já são 70% ocupados por efetivos, sendo assim, com o reajuste do percentual, a economia não será a informada pelo governador.

O que ainda tem cerca de 30 cargos na direção dos presidentes de fundação e autarquias que terão os salários dobrado de R$ 9 mil para R$ 18 mil. Este reajuste será imediato, já o reajuste do percentual do DGA serão somente após o fim da pandemia. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet