Cuiabá, sexta-feira, 10/07/2020
11:09:26
informe o texto

Notícias / Política

16/05/2020 às 10:16

Exoneração de Nelson Teich do Ministério da Saúde é publicada no 'DOU'

Teich pediu demissão nessa sexta-feira após divergências com o presidente Jair Bolsonaro em torno das medidas de combate ao novo coronavírus

Leiagora

Exoneração de Nelson Teich do Ministério da Saúde é publicada no 'DOU'

Foto: Marcelo Casal Jr / Agencia Brasil

O governo federal formalizou neste Sábado (16) a exoneração do médico oncologista Nelson Teich do cargo de ministro da Saúde. A exoneração "a pedido" está publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de hoje. Teich pediu demissão nessa sexta-feira após divergências com o presidente Jair Bolsonaro em torno das medidas de combate ao novo coronavírus.

A saída de Teich ocorre no auge da pandemia do novo coronavírus, que já causou quase 15 mil mortes no País. Ele assumiu o posto em 17 de abril, no lugar do também médico Luiz Henrique Mandetta. Com a saída de Teich, que ficou apenas 29 dias na função, o secretário executivo do ministério, general Eduardo Pazuello, assume interinamente a pasta.

Assim como seu antecessor, Teich vinha tendo divergências com o presidente Bolsonaro sobre o isolamento social no combate à pandemia e o uso da cloroquina no tratamento da doença, justamente os dois principais pontos de embate entre Mandetta e Bolsonaro. No caso de Teich, no entanto, a cloroquina foi o estopim da nova crise, com a decisão do presidente de mudar o protocolo de uso do medicamento no combate à covid-19.

Pressionado a ampliar a prescrição do medicamento, apesar da falta de comprovação sobre sua eficácia para tratar o coronavírus, Teich já havia avisado Bolsonaro na quinta-feira semana que era preciso aguardar a conclusão de estudos científicos. Não adiantou: em transmissão ao vivo naquela noite, o presidente disse que faria a mudança no protocolo. "Quem manda sou eu", afirmou ele a auxiliares.

Teich pediu demissão no dia em que o governo completou 500 dias. Foi o nono ministro a deixar a Esplanada - o último deles havia sido o ex-juiz da Lava Jato Sérgio Moro, que comandava a Justiça e, ao sair, há 22 dias, acusou Bolsonaro de interferência política na Polícia Federal.
Agência Brasil

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet