Cuiabá, terça-feira, 02/06/2020
17:01:38
informe o texto

Notícias / Judiciário

19/05/2020 às 09:09

MP garante legalidade e defende auxílio-saúde de servidores no STF

Chefe do MP disse que bem-estar do servidor está ligado a rendimento profissional e defendeu auxílio

Camilla Zeni

MP garante legalidade e defende auxílio-saúde de servidores no STF

Foto: MPMT

O procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, pediu que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue improcedente a ação movida pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o auxílio-saúde recém-aprovado para servidores do Ministério Público de Mato Grosso. 

O auxílio, que chegou a ser chamado de "vale-covid", foi aprovado pelo procurador-geral no dia 5 de maio, sendo R$ 1 mil para os membros do Ministério Público, como procuradores e promotores, e R$ 500 para os demais servidores. 

Contudo, a PGR argumentou que o valor é incompatível com o regime remuneratório disposto na Constituição, agrava a crise fiscal e afeta negativamente as "receitas estaduais em uma conjuntura de queda de arrecadação tributária, em decorrência dos impactos econômicos do surto de epidemia nacional do novo coronavírus".

Leia também - Após polêmica, chefe do MP defende auxílio-saúde: valoriza carreira e tira pressão do SUS

O procurador-geral, porém, defende que o benefício é constitucional, e se enquadra como verba indenizatória, que também é pago por outros órgãos e Poderes. Ele afirma que a Constituição não veda as indenizações e que é necessário ressarcir gastos com o exercício funcional, no qual se enquadrariam a saúde dos servidores. 

"Embora se argumente que os gastos com saúde são habituais, não se pode negar a correlação entre o bem-estar físico e psicológico dos servidores públicos – lato sensu – com o bom desempenho de suas atividades precípuas", justificou.

Ainda segundo Antônio Borges, resolução do Conselho Nacional de Justiça, que aflige o Ministério Público, dispõe que os órgão do Poder Judiciário devem instituir programa de assistência à saúde suplementar de magistrados e servidores.

No caso, eles devem escolher se fará convênio com operadores de plano de saúde, oferecer a prestação do serviço direto ou se por meio de pagamento de auxílio de caráter indenizatório, no caso, como reembolso. 

Outro ponto rebatido pelo procurador é quanto a alegação da PGR, de que o ministro do STF, Luís Roberto Barroso, já teria decidido, em ação semelhante, a suspensão do pagamento ao estado de Minas Gerais. Contudo, o chefe do Ministério Público destacou que a ação ainda não foi analisada pelo plenário do STF, ao passo que a decisão não pode ser usada como precedente.

Ao pedir a não procedência da ação, o procurador lembrou, por fim, que o Ministério Público ainda não fez os pagamentos porque está impedido por decisão do conselheiro Sebastião Caixeta, do Conselho Nacional do Ministério Público. 

Em uma representação movida contra o benefício dois dias depois da publicação no Diário Oficial, Caixeta citou risco à economia do órgão e a baixa arrecadação de Mato Grosso durante a pandemia e mandou suspender o pagamento.


Leia também 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet