Cuiabá, sexta-feira, 05/06/2020
02:17:49
informe o texto

Notícias / Polícia

21/05/2020 às 13:02

Polícia Civil e Procon fiscalizam distribuidora de produtos médicos e hospitalares

A diligência conjunta foi realizada a partir de uma denúncia anônima

Leiagora

Uma fiscalização foi realizada pela Polícia Civil, em parceria com o Procon Estadual, em uma distribuidora de produtos médicos e hospitalares de Cuiabá, na manhã desta quinta-feira (21), em Cuiabá. A ação de cunho preventivo e repressivo teve como alvo a empresa que atende grande número de clínicas de profissionais na área da saúde e consumidores em geral.

A diligência conjunta foi realizada a partir de uma denúncia feita por uma clínica à Polícia Civil, e teve como objetivo apurar e esclarecer os fatos para coibir e reprimir eventual prática abusiva de aumento indiscriminado de preços ao consumidor mato-grossense.   

Durante a operação, os policiais da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor (Decon), acompanhados dos fiscais do Procon, fizeram requerimento de nota fiscais para a comparação dos custos com os preços praticados ao consumidor, buscando apurar eventuais abusos. 

O gerente da empresa explicou que o custo de alguns produtos, nas fábricas e empresas que atendem a distribuidora, subiu muito em razão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Segundo o gerente, algumas mercadorias, como máscaras faciais descartáveis, estão com um valor de aquisição elevado e que a compra só está sendo feita para não deixar de atender aos clientes da distribuidora, especialmente clínicas médicas, de ortodontia e outras.

Conforme o delegado da Decon, Rogério da Silva Ferreira, desde o início da pandemia, a Polícia Civil, em integração com órgãos estaduais e municipais, como os Procons, tem intensificado as ações desse tipo, averiguando estabelecimentos comerciais, como, por exemplo, supermercados, farmácias, laboratórios e distribuidoras de produtos médicos e hospitalares.

"A Delegacia do Consumidor de Cuiabá já instaurou mais de uma dezena de procedimentos investigatórios que pode resultar em responsabilidade criminal, caso seja constatada alguma prática lesiva ao consumidor, ao final das investigações em curso", destacou Rogério Ferreira.

 
Assessoria

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet