Cuiabá, segunda-feira, 01/06/2020
07:55:20
informe o texto

Notícias / Geral

22/05/2020 às 13:36

Kit-covid não é seguro e uso de cloroquina depende de médicos, avalia secretário

O chefe da Saúde de MT alega que 'kit-covid' lançado por Barra do Garças é nocivo

Camilla Zeni

Kit-covid não é seguro e uso de cloroquina depende de médicos, avalia secretário

Foto: Reuters/Agência Brasil

"Parece uma brincadeira, né", respondeu o secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, sobre o lançamento do primeiro "kit-covid" em Mato Grosso. Com variação de três ou quatro remédios, o conjunto de medicamentos foi lançado pela Prefeitura de Barra do Garças (170 km de Cuiabá) na última terça-feira (19). 

O município, segundo dados da Secretaria de Saúde do estado, é o terceiro em número de mortos por covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus). Foram quatro mortes, sendo que um dos pacientes era morador de Ponte Branca, cidade menor localizada na região.

Para o secretário de Saúde do Estado, porém, a inovação da prefeitura de Barra do Garças não é segura. 

"Essa história de primeiro estado a lançar um kit parece brincadeira, né? Para todas as doenças já poderia ter um kit então e não precisaria nem fazer curso medicina para analisar sintomas de paciente e prescrever o medicamento ideal. Eu não concordo com isso. É algo nocivo para a população, dando a imagem de que é uma solução segura e não é", comentou Gilberto durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira (22).

Os kits, segundo a prefeitura, são compostos por azitromicina, ivermectina e paracetamol ou ainda azitromicina, ivermectina, dipirona e cloroquina. No entanto, eles dependem de receituário médico para serem liberados.

A cloroquina foi liberada para ser usada no protocolo de tratamento de coronavírus para pacientes com sintomas leves na última quarta-feira (20). Contudo, o Ministério da Saúde destacou que cabe ao médico a decisão de prescrever ou não o medicamento.

O secretário de Saúde de Mato Grosso concorda. Ele afirmou que, se houvesse alguém de sua família internado com a doença e o médico recomendasse o uso do medicamento, ele autorizaria já que é o profissional quem tem competência para tratar do assunto.

"Não há impedimento do governo do Estado. Esse é apenas mais um medicamento à disposição dos profissionais que foram formados para isso, estudaram mais de 10 anos para fazer. Não é o governador, o secretário, o ministro ou o presidente da República quem prescreve medicamento para tratamento de covid e nenhuma outra enfermidade".

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet