Cuiabá, quarta-feira, 15/07/2020
03:53:22
informe o texto

Notícias / Geral

02/06/2020 às 11:09

Mauro articula nome para eleição em Cuiabá e diz que falta 'gestor honesto'

Mauro e Emanuel voltaram a trocar farpas diariamente via imprensa e suas assessorias, dessa vez usando a pandemia como base

Camilla Zeni

Mauro articula nome para eleição em Cuiabá e diz que falta 'gestor honesto'

Foto: Secom

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), confirmou que articula para lançar candidatos na disputa pelo Palácio Alencastro, diante de tantos impasses registrados com a atual gestão da capital. 

Adversários, Mauro e o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) voltaram a trocar farpas diariamente via imprensa e suas assessorias, dessa vez usando a pandemia do novo coronavírus como base. As disputas resultaram, inclusive, em ações judiciais.

Agora, com a aproximação das eleições municipais, que ainda estão mantidas para outubro deste ano, Mauro admitiu que articula para apresentar “um bom nome”, destacando que o candidato pode, inclusive, não ser de seu grupo.

“Nós acreditamos, sim, que precisaremos apresentar um bom nome para a Prefeitura de Cuiabá. Cuiabá não merece o que está acontecendo hoje aqui. Tem muita gente boa, não precisa ser um nome nosso, mas acho que Cuiabá merece alguém trabalhador, honesto, acima de tudo, e competente, porque aí seria muito bom”, disparou em entrevistas recentes dada à imprensa nos eventos do governo.

O governador tornou a alfinetar o prefeito Emanuel Pinheiro, sugerindo que os predicados que considera ideal para o gestor da capital não são encontrados no atual chefe do Executivo. “Nós não teríamos muitos dos problemas que estão tendo aí se existisse isso: honestidade e propósito, tratar com seriedade as informações”, afirmou.

Atualmente quatro dos secretários de Mauro são filiados ao Democratas e foram apontados como possíveis candidatos do governo na disputa ao Alencastro. São eles o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, o Fazenda, Rogério Gallo, o de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, e o chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho.

Marcelo de Oliveira já teria descartado a participação nas eleições, enquanto Mauro Carvalho - o último a se filiar - foi apontado como um dos principais nomes do grupo. 

Governo x Prefeitura
Acusados de misturar a saúde da população com questões eleitoreiras, a briga dos políticos se acirrou na semana passada, quando o governo tornou pública a informação de que Cuiabá desistiu de habilitar 40 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para atender a população vítima de coronavírus. 

A desistência irritou bastante os membros do Executivo estadual, incluindo o secretário de Saúde, e Mauro Carvalho, que chegaram a comprar a briga do governo contra a Prefeitura.

A rixa se agravou porque o Estado tinha um planejamento de leitos para atender a população e, com a desistência de Emanuel, o número reduziu consideravelmente. Além disso, acabou anulando os esforços do governo, que construiu exatos 40 leitos de UTI no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande.

Nessa segunda-feira, contudo, foi a vez do secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Pôssas de Carvalho, engrossar o tom com a briga. Em um artigo, o gestor chegou a chamar o governador de “biruta de aeroporto”

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet