Cuiabá, domingo, 12/07/2020
02:07:33
informe o texto

Notícias / Judiciário

02/06/2020 às 13:45

MPF fez 242 denúncias em MT por desmate ilegal na Amazônia Legal

Mapeamento apontou o desmate de mais de 321 mil hectares da floresta amazônica

Leiagora

MPF fez 242 denúncias em MT por desmate ilegal na Amazônia Legal

Foto: Agência Brasil

Só no mês de maio, o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou 242 denúncias em Mato Grosso contra suspeitos de desmatamento ilegal na Amazônia Legal. Isso representa 23% do total de novos processos provocados pelo órgão nesse mesmo mês.

Os dados constam em levantamento feito pelo MPF em relação a uma força-tarefa que mapeou o desmatamento de mais de 321 mil hectares da floresta amazônica entre 2017 e 2019. Trata-se do projeto Amazônia Protege, que conta com a participação de 25 procuradores da República. 

Ao longo dos três anos foram mapeadas terras de 60 hectares ou mais que foram desmatadas de forma ilegal. O levantamento apontou que Mato Grosso foi o estado mais prejudicado pelas ações criminosas, considerando o total de 95,4 mil hectares de área desmatada. 

Para punição dos suspeitos, o MPF entrou com 242 ações judiciais, sendo que o órgão informou que outros processos devem ser propostos em breve.

Além de Mato Grosso, o Pará também foi um estado que teve vasta área agredida pela ação crimonsa. Por lá o corte raso da vegetação atingiu 87,9 mil hectares. Isso resultou 310 ações judiciais, conforme o levantamento.

Já o Amazonas foi o terceiro estado com maior área desmatada no período, sendo que, por lá, foram 81 mil hectares e 215 ações judiciais. 

O levantamento também apontou que, das terras mapeadas, 64 áreas estão dentro de Unidades de Conservação (UCs) federais e 41 dentro de Terras Indígenas (Tis).

As ações ainda foram ajuizadas em outros quatro estados, sendo eles Acre, Maranhão, Rondônia e Roraima. Juntas, as 1.023 ações foram movidas contra 2.262 pessoas e cobram R$ 3,7 bilhões em indenização pelos danos, além da reparação das áreas devastadas.

Para o coordenador da Câmara de Meio Ambiente do MPF, Nívio de Freitas, ao promover a responsabilização civil dos infratores, o projeto contribui para 'reduzir a sensação de impunidade em relação a práticas que atentam contra o meio ambiente'. 

"O MPF permanecerá vigilante e firme em relação ao compromisso constitucional de zelar pela preservação do meio ambiente para a presente e futuras gerações", frisou o subprocurador-geral da República.

 
Com Estadão Conteúdo

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet