Cuiabá, segunda-feira, 28/09/2020
07:25:42
informe o texto

Notícias / Política

05/06/2020 às 14:20

Prefeitura é investigada por compra superfaturada de cesta básica

A denúncia surgiu do vereador Diego Guimarães e a polícia já esteve na sede da secretaria para conferir os itens adquiridos pela prefeitura

Alline Marques

Prefeitura é investigada por compra superfaturada de cesta básica

Foto: Assessoria

A Prefeitura de Cuiabá será investigada por uma compra supostamente superfaturada de 5 mil cestas báscias  adquiridas para distribuir para as famílias carentes neste período de pandemia causada pelo coronavírus. 

A denúncia partiu do vereador Diego Guimarães (Cidadania) que encaminhou ao Ministério Público Federal (MPF), Estadual e à Delegacia Fazendária. Inclusive, três policiais estiveram na sede da Secretaria de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência de Cuiabá para averiguar a denúncia. 

Em nota, a prefeitura informou que nenhuma irregularidade foi encontrada no local e reiteirou o compromisso, lisura e transparência nas ações desenvolvidas.  Por outro lado, em vídeo feito na sede da secretaria, Diego aponta que alguns itens descritos no contrato estão faltando na cesta.

Só que a administração municipal alega também que existem modelos distintos de cestas básicas estavam, pois algumas são provenientes de doações e também destinadas às famílias carentes por meio do Fundo Social Solidário. 

Além disso, o parlamentar teria ido ao supermercado e feito uma compra dos itens descritos no contrato e gastou R$ 95,83. Só que no contrato nº 147/2020 feito com dispensa de licitação, consta que a prefeitura pagou R$ 129,80 por cada cesta básica. 

Seguindo esta conta, o vereador afirma que a gestão municipal gastou R$ 169,8 mil a mais já que o vereador comprou os mesmos produtos em um mercado da capital pelo valor de R$ 95,83, uma diferença de R$ R$ 33,97. 

“A fiscalização me surpreendeu, porque eu estava investigando apenas um superfaturamento nas cestas básicas e constatamos que foram entregues cestas mais caras e com um tamanho menor, ou seja, com menos produtos. É triste ver que na nossa cidade está acontecendo escândalos de corrupção nesse momento de pandemia”, disse o parlamentar ao lembrar que as cestas compradas devem ser destinadas para famílias carentes de Cuiabá no período de pandemia da Covid-19.  

Outra situação apontada pelo vereador é a inexistência da empresa que vendeu as cestas básicas para a prefeitura.  No contrato é indicado o endereço Rua Benedito Mello, nº 115, bairro Lixeira, em Cuiabá, porém, no local não há nenhum empreendimento. 

“Falta um pouco de humanização por parte do prefeito e dos seus. Já vimos isso acontecer com as UTI’s, contrato de TV e agora na assistência social. Dinheiro que deveria ser usado para comprar cesta básica de qualidade não está sendo aplicado como deveria”.

Outro lado 

A Prefeitura confirmou a ida da polícia e explicou que durante a diligência  autorizada pelo delegado, os policiais solicitaram a conferência de itens constantes em modelo de cesta básica adquirido por meio do  contrato 147/2020. Mediante anuência da gestão da pasta e, acompanhados da assessoria jurídica, o procedimento foi realizado. 

Os policiais, munidos do contrato, visitaram o almoxarifado e constataram que todos os 22 itens descritos fazem parte das cestas distribuídas a 392 famílias em situação de vulnerabilidade social referenciadas por meio dos 14 Centros de Referência e Assistência Social (CRAs).  

Oportuno esclarecer que existem modelos distintos de cestas básicas estavam dispostos no almoxarifado da Assistência Social, onde podem ser encontradas cestas provenientes de doações e também destinadas às famílias carentes por meio do Fundo Social Solidário.

Quanto às acusações referente ao superfaturamento e à empresa de fachada, a Prefeitura informou que está à disposição das autoridades competentes para prestar todas as informações necessárias. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet