Cuiabá, quarta-feira, 12/08/2020
03:02:21
informe o texto

Notícias / Política

19/06/2020 às 15:22

Secretário descarta parar atividades em Cuiabá; lockdown é discutido em audiência

Ministério Público pediu medidas rígidas para conter avanço da pandemia da covid-19; prefeituras ignoraram

Camilla Zeni

Secretário descarta parar atividades em Cuiabá; lockdown é discutido em audiência

Foto: Assessoria

O secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Possas de Carvalho, é contra o fechamento total das atividades não essenciais na Capital, durante o período de pandemia do novo coronavírus. O pedido foi feito pelo Ministério Público do Estado (MPE) à Justiça, e uma audiência de conciliação, marcada para a tarde desta sexta-feira (19), deve decidir o assunto. 

Na avaliação do gestor, para atender a solicitação do MP e encontrar uma maneira de controlar a circulação de pessoas, o ideal seria fechar setores que estejam com problemas de controle sanitário. 

“Não seria salutar você fechar hoje, principalmente para setores que abriram algumas semanas atrás, mas quem vai decidir isso e tem o livre arbítrio é o Judiciário”, considerou Possas de Carvalho, ao chegar para a audiência, no Fórum de Várzea Grande.


Leia também - Ministério Público pede na Justiça fechamento de atividades em Cuiabá e Várzea Grande

O gestor ainda acredita que parte do problema enfrentado por Cuiabá, com a lotação do sistema público de saúde, é ocasionada pelas prefeituras do interior de Mato Grosso. Ele considerou que, sem oferecerem atendimento à população, os munícipes acabaram precisando do atendimento de Cuiabá. 

Segundo boletim informativo da Secretaria de Estado de Saúde dessa quinta-feira (18), Mato Grosso tem 80% dos seus leitos de Unidade de Terapia Intensiva ocupados em razão da covid-19. Em Cuiabá, o Hospital Universitário Júlio Muller, referência federal para a pandemia, já está lotado, assim como o Hospital Municipal São Benedito. As vagas que sobram estão disponibilizadas no antigo Pronto-Socorro e no Hospital Estadual Santa Casa.

Além do secretário de Saúde da capital, participam da audiência de conciliação representantes do Ministério Público, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM), e o governador Mauro Mendes (DEM).

Entenda
No início de junho o governo de Mato Grosso implantou um sistema de classificação de risco de contaminação do novo coronavírus regionalizado. Por meio de cores, a funcionalidade aponta a gravidade da doença e quais medidas cada região deveria adotar, com base na classificação.

Ocorre que, no entanto, as medidas informadas pelo governo são meramente orientativas, sendo que o Estado não atua de forma impositiva para decretar restrições nos municípios. Quanto a isso, o Ministério Público havia notificado o governo para adotar uma postura mais rígida, o que não foi atendido. 

Na noite de quinta-feira, então, o órgão acionou a Justiça. Ele destacou que o governo não pode ser negligente e compactuar com os gestores que não adotam as medidas necessárias para garantir a saúde da população. O caso é analisado nesta tarde.

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet