Cuiabá, terça-feira, 07/07/2020
05:16:26
informe o texto

Notícias / Judiciário

26/06/2020 às 18:00

Entidades pedem para ser parte em ação que ordenou quarentena em Cuiabá e VG

Pedidos foram feitos por Fecomércio, CDL, ACC, Sinpol e empresas privadas. Juiz decidirá.

Eduarda Fernandes

Entidades pedem para ser parte em ação que ordenou quarentena em Cuiabá e VG

Comércio fechado Cuiabá

Foto: CDL Cuiabá

Entidades ligadas ao comércios, servidores e até empresas distribuidoras de combustíveis pediram o ingresso na condição de terceiro interessado na ação em que foi determinada que os municípios de Cuiabá e Várzea Grande adotem a quarentena obrigatória, devido à pandemia do novo coronavírus.

A decisão do juiz da Vara Especializada da Saúde Pública de Mato Grosso, José Leite Lindote, que conduz a ação, foi acatada pelos prefeitos Emanuel Pinheiro e Lucimar Campos e desde essa quinta-feira (25) passou a valer uma série de restrições ao comércio nessas duas cidades. A medida tem como objetivo conter o avanço do coronavírus.

As entidades que fizeram o pedido na justiça são: Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio); Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL); Associação Comercial e Empresarial de Cuiabá (ACC); Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (Sinpol), e duas empresas distribuidoras de combustíveis de Várzea Grande. 

Alegações


Fecomércio, CDL e ACC afirmam ter legitimidade ativa para integrar o caso, visto que representam o setor comercial dos dois municípios, diretamente afetado pela quarentena obrigatória. Caso o pedido seja aceito pelo juiz, as entidades devem pedir que seja revertida a decisão.

A Ciapetro Distribuidora de Combustíveis Ltda, localizada em Várzea Grande, também pediu ingresso na ação como parte interessada, alegando que serviços essenciais não podem ter seus horários de funcionamento restritos. A Petroluz Distribuidora Ltda, também localizada em Várzea Grande, pediu ingresso na ação como terceiro interessado pelo mesmo motivo.

Em Várzea Grande, serviços essenciais podem funcionar segunda a sexta, das 10h às 16h, vedado o funcionamento aos sábados, domingos e feriados, pelo prazo de 15 dias. Esses estabelecimentos comerciais alegam que o decreto que impõe a quarentena obrigatória no município viola a decisão do juiz Lindote que determinou que não houvesse restrição de horário para as atividades consideradas essenciais, justamente para evitar aglomeração de pessoas.

Por sua vez, o Sinpol demonstra preocupação com o fato de os servidores da Assembleia não terem paralisado completamente suas atividades, a exemplo de outros órgãos. Neste contexto, reclama da Resolução Administrativa nº 37 da Assembleia, que prorroga o recesso parlamentar, mas mantém as atividades estritamente essenciais para o funcionamento do Parlamento, ou de modo que alguns servidores precisam ir trabalhar. “Poder Legislativo não é atividade essencial!”, declara o sindicato.

A determinação da Assembleia, segundo o sindicato, estaria em desacordo com o Decreto nº 532, do Governo do Estado, que define as medidas que devem ser tomadas pelos municípios, com base na classificação de risco para prevenir a disseminação do novo coronavírus. Essas medidas foram usadas como referência pelo magistrado ao determinar que Cuiabá e Várzea Grande adotassem a quarentena obrigatória.

O sindicato e as empresas alegam ser diretamente atingidos pela decisão e, consequentemente, pelos decretos editados pelas prefeituras das duas cidades, motivo pelo qual fazem pedidos ao juiz.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet