Cuiabá, domingo, 09/08/2020
02:10:16
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

03/07/2020 às 10:35

Desempregos chegam a quase 20 mil em Cuiabá e comerciantes protestam contra rodízio

Alline Marques

Desempregos chegam a quase 20 mil em Cuiabá e comerciantes protestam contra rodízio

Comerciantes protestam em frente à Prefeitura

Foto: Gabriella Arantes / Playagora

Números das entidades ligadas ao comércio na capital apontam que o número de desempregados em Cuiabá já ultrapassa os 20 mil. Sendo que 12 mil foram entre os meses de abril e maio. Isto seria reflexo das medidas restritivas para controle ao coronavírus. 

Os comerciantes, liderados por entidades como a Câmara de Dirigentes de Lojistas (CDL) e a Federação de Comércio de Mato Grosso (Fecomércio), foram para frente da Prefeitura de Cuiabá na manhã desta sexta-feira (3) protestar contra as novas medidas anunciadas pelo prefeito Emanuel Pinheiro na quinta, que prevê o rodízio de carros e até mesmo de CPF. 

Leia também: Cuiabá antecipa toque de recolher e implanta rodízio de veículos e de pessoas - entenda


O grupo elaborou um manifesto que deve ser entregue ao prefeito. A expectativa é de que as lideranças sejam recebidas pelo gestor para debater o assunto. A Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) também se manifestou na noite de ontem ainda e deve discutir hoje o assunto com Emanuel. 

"Somos contrários ao rodízio de carros e controle do CPF. O que queremos é participar da gestão da Covid em Cuiabá, nós, as entidades representativas não fomos chamados para participar", afirmou o presidente da Fecomércio, José Wenceslau de Souza Júnior. 

Ele falou com a imprensa nesta manhã em frente à sede da Prefeitura de Cuiabá. Questionado sobre o diálogo com a gestão municipal, o Wenceslau informou que nunca houve uma linha direta de conversa e "por isso chamamos para essa manifestação". 



Para ele, faltou o prefeito envolver as entidades antes de tomar as medidas e ainda relatou que várias empresas estão fragilizadas, com esse sistema de rodízio irá "acabar de matar o empresário".

Fabio Granja, presidente da CDL, pontuou que o novo decreto gerou ainda mais preocupação para a população e questionou o embasamento técnico das medidas adotadas pela prefeitura. 

"Queremos que sejam propostas medidas para combater a pandemia, gerando saúde, mas preservando emprego, senão corremos um sério risco de caos sócio-econômico chegando a uma desordem social. Estas medidas já foram aplicadas em outros estados e não teve efeito, então qual é embasamento técnico, de onde ele tirou essas medidas, queremos que ele mostre que serão efetivas", afirmou Fabio. 

De acordo com ele, já são três meses de pandemia e até o momento não se teve um plano efetivo para reduzir os números e nem mesmo de ajuda à economia.

"A situação é crítica, várias empresas estão decretando falência. Tivemos, somente entre abril e maio, mais de 12 mil postos de trabalho fechados, com este novo fechamento de agora este número será maior ainda. Precisa olhar para esta situação, por que até quando o governo vai conseguir manter a máquina pública, de onde vem os recursos para manter isso?", indagou o representante da CDL. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet