Cuiabá, terça-feira, 11/08/2020
23:02:43
informe o texto

Notícias / Judiciário

09/07/2020 às 13:00

Por 'indícios frágeis', Justiça Eleitoral devolve ação contra deputados por esquema no Detran ao TJ

Desvio de R$ 30 milhões foi investigado na operação Bereré, que levou à prisão o ex-deputado Mauro Savi e o ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques

Camilla Zeni

Por 'indícios frágeis', Justiça Eleitoral devolve ação contra deputados por esquema no Detran ao TJ

Foto: Assessoria

O juiz Bruno D'Oliveira da Silva Marques, membro do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), decidiu arquivar uma ação que apurava suposto crime eleitoral cometido por quatro deputados estaduais, no âmbito de um esquema que desvio recursos do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

O caso foi investigado na Operação Bereré, que resultou na prisão inclusive do ex-deputado Mauro Savi. Segundo as investigações, Wilson Santos, Eduardo Botelho, Romoaldo Júnior e Ondanir Bortolini (o Nininho) teriam participado do esquema para promoção de caixa dois para campanha eleitoral.

Ao analisar os autos, o juiz decidiu arquivar o processo e devolvê-lo ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), porque a própria Procuradoria Eleitoral observou que não foi possível concluir as investigações sobre o suposto crime eleitoral.

"Ocorre que, diante dos frágeis indícios, nem sequer há uma linha investigatória idônea, além do que o grande lapso temporal transcorrido compromete o êxito da investigação", consta da decisão
.
Desvios no Detran
Em duas operações, conhecidas como Bereré e Bônus, o Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) apurou o desvio de R$ 30 milhões do Detran, após delação premiada do ex-presidente da autarquia, Teodoro Lopes, conhecido como Dóia. 

A primeira fase da operação foi deflagrada em fevereiro de 2018 e resultou na intervenção do ex-governador Pedro Taques junto à administração do Detran. Depois, na operação Bônus, deflagrada em maio daquele ano, foram presos o ex-deputado Mauro Savi, que seria pivô do esquema, o então secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, seu irmão, o advogado Pedro Zamar Taques, e dois empresários.

Toda a investigação resultou na denúncia contra 58 pessoas, que acabou sendo desmembrada em duas partes. Uma das ações corre na 7ª Vara Criminal de Cuiabá e a outra no Órgão Especial do TJMT. 

No mês de outubro de 2019, o TJ decidiu desmembrar a ação mais uma vez, enviando parte dela para a Justiça Eleitoral. Os desembargadores observaram que os valores desviados teriam sido usados na campanha eleitoral do ex-governador Silval Barbosa e na do ex-deputado Mauro Savi. 

Também consta o fato de que uma das empresas envolvidas no esquema teria feito a doação de R$ 750 mil para a campanha do ex-deputado e de Silval. Esse fato teria caracterizado a existência do crime eleitoral.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet