Cuiabá, domingo, 09/08/2020
19:02:38
informe o texto

Notícias / Judiciário

10/07/2020 às 15:01

Presidente da OAB-MT pede sigilo em processo que responde por empurrar esposa

Caberá à juíza Ana Graziela Vaz de Campos Alves Corrêa decidir sobre o pedido

Eduarda Fernandes e Camila Zeni

Presidente da OAB-MT pede sigilo em processo que responde por empurrar esposa

Leonardo Campos

Foto: Reprodução

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional de Mato Grosso, Leonardo Campos, pediu que tramite sob sigilo o processo que responde por supostamente ter cometido o crime de vias de fato contra sua esposa na madrugada do dia 28 de maio deste ano. Na denúncia, o Ministério Público Estadual (MPE) diz que Leonardo teria empurrado sua então companheira durante uma discussão, “sem, contudo, deixar lesão aparente”.

Leonardo protocolou uma petição no processo e caberá à juíza Ana Graziela Vaz de Campos Alves Corrêa decidir sobre o pedido. No documento, ele argumenta “os fatos relacionados ao presente procedimento estão sendo explorados exaustivamente pela imprensa, obviamente em razão da posição dos peticionários”.

Leia também - Juiz recebe denúncia e Leonardo Campos vira réu em ação de agressão à esposa

Ele destaca também que a exposição potencializada está gerando graves danos familiares, bem como desproporcional abalo a imagem de todos os envolvidos, o que gera angústia e delicados estados psicológicos. “Por estas razões, objetivando evitar que se aumentem os danos narrados, requer-se a decretação, desde já, de sigilo destes autos, restringindo acesso ao mesmo tão somente as partes e advogados devidamente constituídos”, pediu.

A ação tramita na Primeira Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Cuiabá.

Leonardo nega ter agredido a esposa. Ele chegou a ser preso no dia em questão e após ser solto, emitiu nota afirmando que não houve agressão. "Jamais agrediria minha esposa, mulher que respeito. Em verdade, houve um desentendimento e uma discussão que envolveu inclusive o meu filho. Mas eu disse que aquela situação, de discussão acalorada, era inaceitável e fui para o quarto. Neste momento, ela me empurrou e eu tentei fechar a porta para não prolongar a discussão”, garantiu advogado.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet