Cuiabá, domingo, 09/08/2020
01:55:16
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

10/07/2020 às 16:12

Estudos para concessão da Ferrogrão será enviado para o TCU na próxima semana

A ANTT aprovou nesta semana o plano de outorga do projeto que pretende ligar Mato Grosso e Pará

Leiagora

Estudos para concessão da Ferrogrão será enviado para o TCU na próxima semana

Foto: Pixabay

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse nesta sexta-feira (10) que "provavelmente" a pasta enviará os estudos para concessão da Ferrogrão ao Tribunal de Contas da União (TCU) na próxima semana.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovou nesta semana o plano de outorga do projeto. A ferrovia vai ligar Mato Grosso e Pará, com foco no escoamento de grãos, e é uma das apostas do governo federal para o setor ferroviário.

A taxa de retorno do projeto é de 11,04% ao ano, com investimento (Capex) de R$ 8,4 bilhões, e opex de R$ 60,15 bilhões. O projeto sofreu algumas alterações em relação ao que foi publicado na consulta pública. Uma delas é o período da concessão, que aumentou de 65 anos para 69 anos.

Segundo os estudos, a construção da ferrovia deve ser feita até 2029, com início da operação em 2030. De acordo com o ministério, o potencial é de geração de quase 30 mil empregos diretos, com redução de R$ 19,2 bilhões no custo do frete.

'Discussão sobre frete do minério em ferrovias da Vale evolui bem'

Freitas também afirmou que as discussões com o Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o valor do frete do minério nas ferrovias da Vale estão "evoluindo" bem. O tribunal analisa atualmente as renovações antecipadas das concessões da Estrada de Ferro Carajás e da Estrada de Ferro Vitória-Minas, ambas operadas pela Vale.

A área técnica do tribunal, no entanto, questionou a metodologia para definição da tarifa usada nos estudos para as prorrogações. Para eles, o formato apresentado desconsidera a metodologia já avaliada pelo Conselho Administrativa de Defesa da Concorrência (Cade).

Freitas afirmou, no entanto, que o ministério já apresentou argumentos ao TCU para mostrar que não faz sentido usar a metodologia do Cade, porque geraria "valores muito fora da realidade" dos preços teto definidos pelo governo. "Então estamos bem tranquilos sobre a metodologia estimada", disse. A expectativa de Freitas é de que o TCU delibere sobre as renovações aconteça dentro de 30 ou 45 dias.

O ministro lembrou ainda que os valores das outorgas das duas renovações serão usadas para construções ferroviárias. Uma é o ramal Cariacica-Anchieta, no Espírito Santo. Segundo Freitas, nesse caso, o trecho deve ser anexado à concessão da Vitória-Minas.

Outra parte da outorga será destinada à ampliação da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico). Depois, o novo trecho é concedido.
Estadão Conteúdo

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet