Cuiabá, terça-feira, 20/10/2020
21:28:08
informe o texto

Notícias / Entrevista da Semana

19/07/2020 às 14:30

Promotor fala do papel do MP nas ações de saúde na pandemia e manda recado para 'galera das festinhas'

O Leiagora convidou o promotor Alexandre Guedes para falar sobre as ações que estão sendo propostas nesta pandemia

Eduarda Fernandes

Promotor fala do papel do MP nas ações de saúde na pandemia e manda recado para 'galera das festinhas'

Promotor de Justiça Alexandre Guedes

Foto: Giuseppe Feltrin / Leiagora

A judicialização da saúde se tornou tema recorrente em meio à pandemia do novo coronavírus. Diante dos dilemas dos gestores públicos sobre quais medidas de enfrentamento adotar, o Ministério Público tem aparecido, mais do que nunca, como um agente enérgico e atuante, exigindo o cumprimento de todo e qualquer remédio necessário para que a população passe por esse momento com o mínimo de dano.

Em Cuiabá e Várzea Grande, por exemplo, a população está submetida a uma quarentena coletiva obrigatória desde o dia 25 de junho, por força de consecutivas decisões judiciais, todas em decorrência de ações propostas pelo Ministério Público. 

Sobre o tema, o Leiagora convidou Alexandre de Mattos Guedes, titular da 7ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da Saúde Coletiva de Cuiabá, autor desses pedidos, para falar com a reportagem e contar mais sobre como tem sido o papel do MP nesta pandemia.

Ele aproveitou ainda para mandar um recado para a galera das 'festinhas': "

Confira a íntegra da entrevista
 
Leiagora - Na sua opinião, qual é o papel do MP nessa pandemia?

Alexandre Guedes:
O papel do Ministério Público é a defesa do direito à saúde e proteção do patrimônio público e dos direitos fundamentais. Na Promotoria de Saúde Pública, o que cabe ao Ministério Público é assegurar que os serviços de saúde estejam funcionando adequadamente e que as medidas sanitárias necessárias ao atendimento do interesse coletivo sejam executadas. O que não cabe ao Ministério Público, obviamente, é inventar políticas públicas.

Cuiabá tem se destacado justamente por fazer cumprir o que diz a lei, tanto as leis federais, quanto as leis estaduais relativas à questão da pandemia, especialmente aos serviços de saúde em geral.



Leiagora - Um dos argumentos que o município de Cuiabá costuma utilizar nas ações que tentam derrubar a quarentena obrigatória é a questão de violação da ordem pública ou usurpação de poder. Como o senhor avalia esses argumentos? 

Alexandre Guedes:
Nós estamos completamente fora disso aqui em Mato Grosso. Porque aqui nós estamos nos dedicando para que os municípios cumpram as normas sanitárias que estão previstas nos decretos estaduais, 522 e 532. Então não estamos inovando, dizemos o seguinte: ‘olha, tem um decreto que diz que se Cuiabá e Várzea Grande estão numa situação de risco muito alta, tem que funcionar só serviços essenciais’. Isso é o que diz o decreto estadual.

Então a única coisa que a gente pediu foi: ‘juiz, mande Cuiabá, Várzea Grande e Estado executarem essas medidas’. Não estamos dizendo que a medida A seja correta, B seja correta ou C seja correta. Por isso que não falamos em lockdown, eu falo em funcionamento de serviços essenciais e da interrupção dos serviços não essenciais como está previsto na legislação. Então acho que nesse ponto específico não existe razão de queixa.

Tanto isso é verdade que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, ele se negou a cassar a liminar do juiz daqui, justamente por entender isso, que o que estava se pedindo aqui era apenas o cumprimento do decreto estadual.
 
Leiagora - Outro argumento bastante usado pelo município é de que o próprio STF deu autonomia para os prefeitos determinarem o que será feito em cada município, mas vemos que na prática não é bem assim. Por quê?

Alexandre Guedes:
Primeiro a gente precisa ler a decisão do Supremo. O que existe é que a área de saúde tem competência que a gente chama de concorrente. Quer dizer, a União pode fazer, o Estado pode fazer e o Município pode fazer. O que muda é a questão do interesse local. Por exemplo, existe uma situação de saúde de interesse local do Pedra 90. Isso é Cuiabá.

Mas, nessa situação de pandemia o vírus não quer saber se está em Cuiabá ou Várzea Grande e ele não é impedido pela ponte ou pelo rio. E o prefeito de Cuiabá não pode mandar em Várzea Grande e vice-versa.

Teve um período que Várzea Grande abriu o comércio antes que Cuiabá, abriu shoppings, academias e muita gente saiu daqui (capital) para ir para lá. E o comércio estava todo fechado em Cuiabá. O que isso mostra? Que existem situações e locais que o Poder do município não basta, não é suficiente. Como acontece aqui na Capital - Cuiabá-Várzea Grande - nós somos praticamente uma cidade só. Quando isso acontece, quando a coisa está além do poder de um prefeito, quem é o responsável por atender as questões metropolitanas é o Estado.

Não só Cuiabá e Várzea Grande. A gente vê isso, por exemplo, em Barra do Garças, Pontal do Araguaia, que são uma única cidade praticamente. A gente vê isso em Arenápolis e Nortelândia. Em Jaciara, Juscimeira e São Pedro da Cipa. Eles são vários que, na prática, são um só. Então nesses lugares, quando é um assunto transmunicipal ou intermunicipal é o Estado que tem que agir. Então o que o Ministério Público tem feito é acionar o Estado para que ele encontre o seu papel dizendo: “olha, Estado, a região metropolitana está além do interesse local, então você tem que agir”. É nesse sentido que o MP está trabalhando em todo o Estado de Mato Grosso.
 Leiagora - Além das ações propostas, tem algo mais que o MP possa fazer para cobrar medidas de isolamento social mais rigorosas? Acredita que só recomendações sejam suficientes ou deveriam existir punições também?

Alexandre Guedes:
Veja bem, na minha Promotoria a gente cuida das questões coletivas. No que se refere à punição nós temos vários tipos de punição. Temos as punições administrativas. Por exemplo, não usar máscara dá multa. Manter aberto um serviço quando o decreto manda fechar também dá multa e cabe aos municípios e ao Estado executar essas medidas. E veja bem, existe o crime de infração de determinação sanitária, que as pessoas podem, sim, ser eventualmente detidas e depois serem processadas pelo Ministério Público. É um crime que não é muito grave, mas existe sim essa prisão. Só que as pessoas precisam ser identificadas e levadas ao MP.

Ah, mas quem tem que executar essas punições e essas detenções? Os fiscais do município, secretaria de Ordem Pública e, no caso do Estado, a Polícia Civil e Militar. Eles que fazem essa repressão.

Então, o Ministério Público também atua nessas demandas, mas precisamos que as pessoas sejam autuadas para processarmos essas pessoas.
               
Leiagora - Como coibir, por exemplo, as festinhas? Tem algo que o MP possa fazer? O MP não pode atuar de forma direcionada a coibir práticas que facilitem a propagação do coronavírus?

Alexandre Guedes:
A questão é a seguinte, o Ministério Público atua preventivamente, em termos educacionais, e em termos repressivos. Com relação às festinhas, o MP não tem como agir preventivamente. Nesse sentido de prevenção e repressão, só são as autoridades. Não há como a gente atuar coletivamente. O que cabe é as autoridades policiais e municipais e toda a comitiva jurídica exigir o cumprimento das medidas sanitárias vigentes, como distanciamento social, o isolamento.

O que a gente pode dizer é que o Ministério Público está disposto a processar todas aquelas pessoas que nos forem trazidas cometendo crimes ou infrações relativas à pandemia. As autoridades têm toda a cobertura jurídica para agir.
 
Leiagora - Com a chegada da pandemia, o que mudou na atuação do senhor em relação à saúde? Como estão as outras demandas que sempre geravam judicialização da saúde?

Alexandre Guedes:
As pessoas continuam doentes de outras coisas. Nós estamos já no período da seca, vão começar a ter problemas respiratórios, rinite, a dengue também existe, o câncer continua existindo, os AVCs e todas as circunstâncias.

A minha promotoria, exclusivamente, trabalha com questões relacionadas à saúde pública, então fomos bastante impactados pela pandemia. Nós não deixamos, nem aqui e nem em outro lugar, de continuar atuando nas questões de falta de remédio, e em uma série de outras questões. Claro, a pandemia acaba se intrometendo, vamos dizer assim, no nosso cotidiano. Mas, continuamos trabalhando.
 

Leiagora - Temos visto com bastante frequência o governador de Mato Grosso Mauro Mendes (DEM) e o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) em um embate sobre os leitos de UTI. Como o MP acompanha essa questão?

Alexandre Guedes:
O Ministério Público Federal também tem dito que Cuiabá precisa habilitar leitos para covid. Então assim, temos trabalhado, acompanhando isso, mas a gente não pode interferir a todo momento. O que a gente pode dizer é que estamos acompanhando, fazendo um monte de inquérito e ações justamente para assegurar leito de UTI para covid e outras coisas também.
 
Leiagora - O MP não pode pedir que Estado ou município construa hospital de campanha? O senhor acredita que houve falha nas estratégias e plano de ações por parte do Executivo, seja municipal ou estadual, neste sentido?

Alexandre Guedes:
A questão é a seguinte, se for ver o boletim você vai ver que um pouco mais da metade dos leitos de enfermaria está vago. O problema é que Mato Grosso é um estado que tem uma população muito grande e tem poucos recursos humanos. E precisamos de recursos humanos para operar um hospital de campanha. Pelo menos em Cuiabá e Várzea Grande a gente não tem os requisitos necessários para pedir um hospital de campanha. Pode ser que essa situação se apresente em outros municípios.
 
Leiagora - A Prefeitura de Cuiabá recebeu milhões em recursos do governo Federal, emendas parlamentares, da Câmara Municipal e até de ações judiciais que foram destinadas ao combate à pandemia e alega que o MP tem participado da fiscalização. Como tem sido esse controle? O MP realmente acompanha a aplicação e destinação destes recursos? E na sua avaliação estão sendo destinados da maneira correta?

Alexandre Guedes:
Aqui no Ministério Público as promotorias de patrimônio público estão vendo essa questão de repasses e uma série de situações. E o Ministério Público Federal também está acompanhando isso. Eles estão mais diretamente ligados à questão do repasse e da transparência. O que eu posso dizer é que na semana passada participei de uma reunião com a Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) e todos os órgãos de controle foram muito explícitos no sentido de exigir transparência, transparência e transparência.

Leiagora - Algo que gostaria de acrescentar?

Alexandre Guedes:
Só dizer que o Ministério Público tem confiança de que isso vai passar e que nós vamos poder terminar essa pandemia e que outras medidas como as que a gente vem propondo não sejam mais necessárias. A gente só propõe aquilo que é necessário.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet