Cuiabá, segunda-feira, 21/09/2020
08:01:35
informe o texto

Notícias / Geral

23/07/2020 às 10:40

Mais de mil médicos estão impedidos de trabalhar devido burocracia imposta pela UFMT

O grupo defende que a prova seja realizada de forma online, mas a Universidade optou pela eleição virtual, mas insiste em teste presencial

Edyeverson Hilario

Mais de mil médicos estão impedidos de trabalhar devido burocracia imposta pela UFMT

Foto: Reprodução

Uma das maiores crises da saúde neste período de pandemia da covid-19, principalmente em Mato Grosso - que se tornou o epicentro da doença -, é a falta de profissionais na área de saúde, dentre eles, médicos. Só que existem vários disponíveis para o trabalho, que estão impedidos de atuar na linha de frente por causa da burocracia na revalidação do diploma de médico formado no exterior. 

Atualmente, são 1.021 profissionais aguardando a Universidade Federal de Mato Grosso realizar a última etapa da prova, que poderia tranquilamente ser realizada de maneira online, assim como a instituição optou por realizar a eleição para a reitoria, porém, ao invés disso, adiou mais uma vez a prova sob a justificativa da pandemia. Vale ressaltar que é por este motivo que o sistema de saúde precisa dos médicos. 

Felipe* é dos profissionais que aguardam a prova para poder atuar no atendimento de pacientes com covid-19. Ele espera desde 2018, quando concluiu o curso na Bolívia e optou por fazer sua revalidação de diploma na UFMT. O processo que começou dias depois de pegar o diploma na faculdade estava perto de ser finalizado, contudo, “a burocracia”, como ele define, não permite que ele conclua a validação do seu diploma.
 
Segundo Felipe, essa última prova não é um empecilho para quem está fazendo a revalidação do diploma. “Quando entramos, sabíamos como iria funcionar todo o processo. O problema não é a prova, nem mesmo o processo. A questão é o adiamento da prova e não optarem por aplicar ela online. Eles [UFMT] poderiam fazer a prova online, inclusive tem respaldo do Ministério da Educação para isso, mas não querem fazer. É uma burocracia desnecessária”.
 
Agora, os profissionasi formados no exterior vão ter que aguardar ainda mais a realização da prova, situação que, para Felipe, é desagradável, já que ele entende que poderia estar contribuindo no atendimento médico, sobretudo nesse período de pandemia. “Sabemos que tem gente precisando de atendimento médico e nós não podemos ajudar”, desabafa.
 
Ele lembra que depois de chegar da Bolívia com o canudo em mãos, teve que entregar diversos documentos que comprovaram a conclusão do curso no exterior, carga horária e assuntos estudados. Aprovado nessa etapa, ele e os demais 1020 médicos fizeram provas prática e teórica, mas não conseguiram a revalidação do diploma. Por esse motivo, precisaram fazer uma complementação de estudos.
 
Nessa fase, eles precisaram participar de aulas teóricas e práticas que, somaram mais de 2250 horas, em um período de 12 meses. Carga essa que já é superior de alunos que acabaram formados com a antecipação do curso em abril, por exemplo. 

Neste um ano, esses médicos atuaram nas cinco especialidades básicas, que são: cirurgia geral, clínica médica, pediatria, ginecologia e obstetrícia, e medicina de família e comunidade, dentro de unidades hospitalares.
 
Vencida essa fase, o grupo agora precisa realizar a prova, que foi adiada para setembro, mas que ainda não há certeza de realização, dado ao possível agravamento do avanço da proliferação do coronavírus no Estado.

Eleição online para reitor 
 
Enquanto a Faculdade de Medicina (FM) alega estar consciente das necessidades destes profissionais neste momento de pandemia e diz avaliar alternativas para a realização do exame, de forma que não coloque em risco à vida dos servidores, a UFMT planeja realizar a eleição para reitor de forma virtual.
 
A decisão evidencia a prioridade da instituição e é alvo de crítica pela comunidade acadêmica. Marcada para essa sexta-feira (24), a eleição para a reitoria não é bem vista por professores, alunos e técnicos administrativos, que avaliam como um “atropelo” da atual gestão da Universidade.
 
Dentre as principais críticas está a mudança do peso dos votos de professores, alunos e técnicos administrativos. Antes, o voto de cada membro da comunidade acadêmica tinha o mesmo peso, agora o voto dos professores tem peso de 70%, restando 30% que é dividido de forma igual para os alunos e técnicos administrativos.

Articulação política
 
Segundo divulgaram, o senador Carlos Fávaro (PSD), o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo e ainda o deputado Delegado Claudinei (PSL) intercederam para que a UFMT acelerasse o processo, para que esses profissionais fossem rapidamente inseridos na linha de frente do combate do novo coronavírus, em razão da falta de profissionais nos hospitais, contudo, não obtiveram respostas concretas.

*Nome usado para o personagem foi alterado para preservar a identidade

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Fernanda 23/07/2020 às 00:00

    A prioridade nesse momento deveria ser o atendimento a população e não questões políticas ou administrativas, vê-se o quanto o Universidade se importa....

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet