Cuiabá, quinta-feira, 13/08/2020
01:23:36
informe o texto

Notícias / Judiciário

29/07/2020 às 10:45

Motorista de caminhonete que matou 2 crianças atropeladas volta a ter direito a dirigir

Ele alegou que sua esposa está grávida e ele precisa da CNH para levá-la para exames médicos

Camilla Zeni

O juiz João Bosco Soares da Silva, da 10ª Vara Criminal de Cuiabá, autorizou Wesly Patrick Villas Boas de Souza a voltar a dirigir. O rapaz matou duas crianças atropeladas e deixou ferida a mãe delas, na véspera da virada do ano, em Cuiabá. Desde então ele estava impedido de dirigir.

De acordo com a decisão, assinada no início de julho, o Ministério Público também se manifestou favorável à devolução da Carteira Nacional de Habilitação de Wesley. 

Leia também: Desembargador revoga prisão de motorista que atropelou e matou crianças e impõe fiança de R$ 103 mil

Wesley informou na Justiça que sua esposa está grávida e que precisa do carro para levá-la aos hospitais para exames de rotina. Ainda, que isso seria mais seguro em carro próprio em razão da pandemia da covid-19.

Atropelamento
O caso envolvendo o jovem chocou a sociedade cuiabana na virada do ano novo, quando, em 31 de dezembro de 2019, ele atropelou três pessoas da mesma família: mãe e dois filhos.
Wesley dirigia uma caminhonete Dodge Ram quando, na Avenida dos Trabalhadores, acertou a família. Um menino de 10 anos morreu na hora e a irmão, de três anos, minutos depois. A mãe das crianças foi encaminhada para o Pronto-Socorro Municipal gravemente ferida e só soube da morte dos filhos depois.

Segundo a Polícia Civil, no local onde a família passava não havia faixa de pedestre. Ainda assim, a população se revoltou com Wesley, que chegou a sofrer agressões. O carro dele também foi apedrejado. 
Não foi constatada presença de álcool no sangue do motorista.

O rapaz foi preso no dia do acidente e teve a prisão convertida para preventiva no dia 1º de janeiro. O juiz responsável pela audiência de custódia, Wladymir Perri, chegou a dizer que foi evidente que ele não teve a intenção de atropelar a família, mas que sua prisão era necessária para manter a ordem social. Ele conseguiu liberdade naquele mesmo dia, porém, por decisão do Tribunal de Justiça. 

O desembargador Márcio Vidal, plantonista na época, determinou pagamento de fiança de 100 salários mínimos (na época, R$ 100 mil) e o recolhimento da CNH. Ele observou que 'ordem pública e clamor social' não são motivações idôneas para justificar prisão preventiva.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet