Cuiabá, quinta-feira, 13/08/2020
07:21:55
informe o texto

Notícias / Polícia

31/07/2020 às 18:37

Áudio revela que empresário disse ao Samu que Isabele bateu a cabeça; ouça

Isabele morreu em 12 de julho deste ano, quando passava a tarde na casa de sua amiga, filha do empresário, no condomínio onde moram, o Alphaville 1.

Eduarda Fernandes

Áudio revela que empresário disse ao Samu que Isabele bateu a cabeça; ouça

Alphaville 1

Foto: Rogério Cabeça de Urso

Vazou nesta sexta-feira (31) o áudio da primeira ligação feita pelo empresário Marcelo Martins Cestari, 46 anos, ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), após a adolescente Isabele Guimarães Ramos, 14, ter sido baleada dentro de sua própria residência, no condomínio de luxo Alphaville 1, bairro Jardim Itália, em Cuiabá. À atendente, Marcelo informa que Isabele caiu e bateu a cabeça.

Clique AQUI e ouça o áudio.

“Oi... É, rápido, a menina caiu no banheiro aqui no Alphaville. Tá saindo muito sangue, tá perdendo muito sangue”, diz o empresário logo que a chamada é atendida. “Mas o que aconteceu?”, pergunta a atendente e o empresário responde que Isabele caiu e bateu a cabeça e tá perdendo muito sangue. "Tem uns dois litros de sangue no chão, rápido".

Em seguinda, a atendentende quer pegar os dados de Marcelo, mas ele chega a interromper e chama a adolescente: "Bel", após o silêncio da jovem, ele completa: 
“eu acho que ela tá sem respiração, moça. Rápido”

Leia também - Médico confirma cena desesperadora e diz que 'verdade virá à tona’ em caso Isabele

Marcelo repete o nome do condomínio, pede agilidade do atendimento e diz que depois se qualifica e continua: “rRápido, moça, por favor, ela tá perdendo muito sangue, muito sangue”. “Ela tá desacordada, não tô sentindo a respiração dela”.

O áudio vazado da ligação termina aos 1min1seg, após a atendente informar que irá passar a chamada para um médico.

A ligação foi feita às 22h03 minutos, após Isabele ser baleada na cabeça supostamente pela filha do empresário. Ela teria inclusive relatado o fato às autoridades policiais e alega que a pistola disparou após cair no chão e ela tentar pegar junto com o case que estaca com duas armas.

Isabele morreu em 12 de julho deste ano, quando passava a tarde na casa de sua amiga, filha de Marcelo Cestari, no condomínio onde moram, o Alphaville 1. Segundo a Polícia Civil, ela foi atingida por um tiro na cabeça, que teria entrado por suas narinas. O caso é tratado como homicídio culposo (quando não há a intenção de matar).

Durante as investigações, a polícia encontrou sete armas na casa da família onde o crime aconteceu e nem todas tinham registro. Isso fez com que Marcelo Cestari fosse preso por posse irregular de armas. Ele foi solto mediante uma fiança de R$ 1 mil, valor que vem sendo questionado na Justiça. 

Cinco dias após a tragédia a polícia realizou uma operação na casa da família Cestari e apreendeu celulares. Nesta ação a polícia utilizou luminol para apurar se o corpo de Isabele foi arrastado e se a cena do crime foi alterada. A perícia também apurou a trajetória da bala e a distância. O caso envolvendo a família Cestari e a família Guimarães é acompanhado por duas delegacias da Polícia Civil.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet