Cuiabá, quinta-feira, 13/08/2020
07:09:12
informe o texto

Notícias / Judiciário

01/08/2020 às 11:31

Juiz eleitoral autoriza Binotti a fazer publicidade de combate ao coronavírus e à dengue

A legislação eleitoral veda gastos com publicidade três meses antes das eleições.

Eduarda Fernandes

Juiz eleitoral autoriza Binotti a fazer publicidade de combate ao coronavírus e à dengue

Flori Luiz Binotti

Foto: Prefeitura de Lucas do Rio Verde

O prefeito de Lucas do Rio Verde, Flori Luiz Binotti, recebeu uma decisão favorável da Justiça Eleitoral para realizar publicidade institucional voltada ao enfrentamento e ao combate à pandemia do novo coronavírus e à disseminação do mosquito aedes aegypti, durante os três meses que antecedem o pleito eleitoral.

A decisão é do juiz eleitoral Cristiano dos Santos Filho e foi proferida nessa quinta-feira (30), publicada no Diário da Justiça Eletrônico do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) datado da segunda (3), disponibilizado já nesta sexta (31).

O juiz disse que a grave situação instalada em todo o país, que deriva da eclosão da pandemia do novo coronavírus e da disseminação do mosquito aedes aegypti, transmissor das doenças como zika, dengue e chikungunya, impõe ao Poder Público Municipal a obrigação de concretizar todas providências e medidas necessárias a prevenir, combater e minimizar os efeitos destas doenças e, ao mesmo tempo, também, orientar a população por intermédio da divulgação de publicidade institucional.

“O grave cenário sanitário atual, que se instaurou devido a eclosão da pandemia da covid-19, e que pode ser severamente agravado com a disseminação do mosquito aedes aegypti, exige /demanda que todos entes federativos concretizem medidas que visem à redução dos riscos e consequências destas doenças”, ponderou.

Ao analisar o caso, o magistrado entendeu que a publicidade institucional que Binotti pretende divulgar constitui medidas de orientação e informações para fins de prevenção e combate da pandemia e da disseminação do mosquito aedes aegypti, sem que exista situação de promoção pessoal de qualquer gestor público.

Isto porque a legislação eleitoral veda gastos com publicidade nos três meses que antecede à eleição. 

“Os informes publicitários detêm, ao que tudo indica, caráter noticioso, neutro, sem apelo ou favorecimento a determinado agente público. É, portanto, hipótese de autorizar a divulgação da publicidade institucional”, avaliou.

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet