Cuiabá, sábado, 26/09/2020
16:55:36
informe o texto

Notícias / Judiciário

04/08/2020 às 15:14

STJ mantém afastada ex-juíza de MT que pediu exoneração e quis voltar ao cargo

Virgínia atuava no interior de MT e deixou o Poder Judiciário para atuar em outras atividades. Oito anos depois, quis voltar a ser juíza

Camilla Zeni

STJ mantém afastada ex-juíza de MT que pediu exoneração e quis voltar ao cargo

Ministra Maria Thereza

Foto: Roberto Jaime/TSE

A ministra Maria Thereza de Assis Moura, vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou recurso extraordinário da ex-juíza Virgínia Viana Arrais, e a manteve afastada da magistratura. 

Em sua decisão, a ministra observou que todos os andamentos judiciais anteriores foram pautados conforme entendimento do próprio Supremo Tribunal de Justiça, de forma que não cabe ao STJ enviar o caso para a Corte Superior, como pleiteava a ex-juíza. 

O imbróglio envolvendo Virgínia Arrais se estende desde 2018. A ex-magistrada foi exonerada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso em abril de 2010, atendendo a seu pedido. Na época, o ato administrativo foi tomado “com a ressalva de readmissão no ato que deferiu a exoneração", segundo apontou sua defesa.

Leia também - Coronéis devem ser indenizados em R$ 30 mil por prisão ilegal na Grampolândia Pantaneira

Entretanto, ocorreu que, ao tentar retomar o cargo, em março de 2018, ela teve o pedido negado pela administração do Poder Judiciário e recorreu da decisão, pedindo que o Pleno do Tribunal de Justiça analisasse o caso.  Em 2019 os membros do Órgão Especial mantiveram a decisão.

O Judiciário mato-grossense observou que o ato que resguardava a readmissão da juíza seria uma norma prevista no Código de Organização Judiciária do Estado de Mato Grosso. No entanto, caso semelhante tinha sido julgado pelo Supremo Tribunal Federal, que declarou a inconstitucionalidade do dispositivo.

Apesar do argumento, Virgínia recorreu da decisão no STJ, que já lhe negou dois recursos. Ela questionou a competência da primeira instância para declarar a inconstitucionalidade de uma norma estadual de forma administrativa, sem provocação em processo.


Além disso, argumentou que, se o ato de exoneração foi pautado em uma norma inconstitucional, ele também deveria ser anulado, de forma que seu reenquadramento como magistrada seria garantido. Observou ainda que havia confiança de sua parte no ato da Administração, de forma que isso lhe gerou direitos que deveriam ser respeitados.

A ministra Maria Thereza, por sua vez, pontuou que a Constituição Federal de 1988 defende que o servidor exonerado não tem direito ao reingresso no serviço público sem aprovação prévia em concurso público, de forma que a decisão do Judiciário mato-grossense deve ser mantida.

Observou ainda que os limites dos poderes normativos dos tribunais devem respeitar a Constituição e a Lei Orgânica da Magistratura Nacional, de forma que restou acertada a decisão de não permitir seu retorno ao cargo.


Segundo atualização em seu currículo, atualmente Virgínia é a 32ª Tabeliã de Notas do Rio de Janeiro, professora e fundadora do 'Cursos Virginia Arrais' e professora em curso de pós-graduação.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet