Cuiabá, sábado, 19/09/2020
17:46:35
informe o texto

Notícias / Política

04/08/2020 às 15:46

TRE nega pedido para Fávero deixar PSL e deputado se conforma: 'fiz minha parte'

O julgamento da ação declaratória de justa causa para desfiliação partidária ocorreu em julgamento virtual realizado na manhã desta terça-feira (4).

Eduarda Fernandes

TRE nega pedido para Fávero deixar PSL e deputado se conforma: 'fiz minha parte'

Silvio Fávero

Foto: Assessoria

Em decisão unânime, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) negou o pedido feito pelo deputado estadual Silvio Fávero para se desfiliar do Partido Social Liberal sem justa causa. O julgamento da ação ocorreu em sessão virtual realizada na manhã desta terça-feira (4). Em entrevista ao Leiagora, Fávero diz que não irá recorrer da decisão.

“Tentei, fiz a minha parte. Continuo com o presidente (Bolsonaro) e acabou. O partido não me liberou. Pedi para sair, não deixaram. Entrei com ação, a Justiça negou. Eu só queria sair porque é um partido que fica falando mal do presidente toda hora e é difícil você estar no partido do presidente e não poder se manifestar. Eu sou obrigado a ficar quieto para não me complicar. Tem vários recursos que posso usar, mas vou esperar, estou tranquilo. ”, comenta.

Leia também - DEM e PSDB podem caminhar juntos na disputa ao Senado

Fávaro deixou a vice-presidência do diretório estadual do PSL em fevereiro deste ano. Já vinha sofrendo um desgaste interno há algum tempo. Um dos motivos é seu projeto de seguir o presidente da República Jair Bolsonaro, que está criando o partido “Aliança Pelo Brasil”, que acabou sofrendo atraso por conta da pandemia do novo coronavírus.

O parlamentar crê que para este ano é praticamente impossível a criação da nova sigla se consolidar. Com um novo partido, Fávero não precisaria aguardar a janela partidária para deixar o PSL sem correr risco de incorrer em infidelidade partidária, o que acabaria levando-o a perder o cargo de deputado estadual.

Na ação proposta junto ao TRE pedindo para sair do PSL, Fávero argumenta que  vem sofrendo   “atos   discriminatórios   graves" por   parte   da   sigla,   bem   como,   pela   mudança substancial do programa partidário.

Pontua que na condição de  “seguidor  e  defensor  ferrenho  do grupo  Bolsonarista” (...)  “vem sendo acometido  por  grave  e  injusta  discriminação  política  da  agremiação,  dentre  elas  ocorrendo  clara preterição”,  tendo  sido  “exonerado  da  Direção  Estadual,  da  função  de  Vice- Presidente  e,  por  fim, recentemente destituído da Presidência Municipal do PSL de Lucas do Rio Verde, município este que é seu domicilio eleitoral, e onde tem seu reduto político obtendo mais da metade dos seus votos que o elegeu para este mandato”. 

No entanto, os argumentos não foram suficientes para convencer a Corte Eleitoral, e agora ele tem que aguardar a janela partidária ou a criação do novo partido para deixar o PSL. Vale lembrar que Bolsonaro foi eleito pela legenda, mas devido o racha entre os grupos ligados ao presidente e a Luciano Bivar, acabou ficando enfraquecido e perdeu várias lideranças nacionais, dentre elas, os filhos do próprio presidente da República.

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet