Cuiabá, quinta-feira, 24/09/2020
07:41:33
informe o texto

Notícias / Judiciário

07/08/2020 às 11:30

Fazendeiros de MT que fizeram adolescentes 'escravos' conseguem acordo com o MPF

Segundo o órgão, os acusados preenchem requisitos para o acordo e não precisam ser denunciados à Justiça

Camilla Zeni

Fazendeiros de MT que fizeram adolescentes 'escravos' conseguem acordo com o MPF

Imagem ilustrativa

Foto: Agência Brasil

Dois fazendeiros de Mato Grosso, que haviam sido denunciados à Justiça por expor menores à situação análoga de escravidão, conseguiram firmar acordo de não persecução penal junto ao Ministério Público Federal (MPF). 

Segundo portaria publicada no Diário Eletrônico desta sexta-feira (7), os homens foram denunciados em agosto de 2014 à Justiça Federal, depois de serem confirmadas as denúncias de situação análoga à escravidão. O caso aconteceu em abril de 2012, em uma fazenda no município de Ribeirão Cascalheira (900 km de Cuiabá). 

"Em apertada síntese, afirma-se que os denunciados, reduziram dois trabalhadores, ambos adolescentes, à condição análoga de escravo, sujeitando-os a condição degradante de trabalho. No mesmo período, os denunciados omitiram na Carteira de Trabalho e Previdência Social dos trabalhadores a remuneração e a vigência do contrato de trabalho ou prestação dos serviços", explicou o procurador da República Guilherme Fernandes Ferreira Tavares.

Segundo ele, o caso se encaixa nos requisitos necessários para a celebração do acordo, de forma que, no dia 27 de junho, ele determinou o início das tratativas.

Esse acordo de não persecução penal foi normalizado em dezembro de 2019, com a aprovação da lei conhecida como "pacote anticrime", mobilizada à época pelo então ministro da Segurança e Justiça, Sérgio Moro.

Na prática, ela significa que o órgão deixa de denunciar os acusados se eles cumprirem com um acordo, que pode envolver pagamento de multa e outras sanções. Contudo, o benefício só pode ser aplicado se o caso preencher requisitos como não ser crime praticado com violência ou grave ameaça, não ser caso de violência doméstica, e não envolver pessoa reincidente. 

Para isso também é necessário que o acusado confesse a prática criminosa e que a pena do caso seja inferior a 4 anos.

Não consta na publicação quais serão os termos do acordo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet