Cuiabá, sábado, 19/09/2020
01:40:46
informe o texto

Notícias / Política

10/08/2020 às 07:11

‘Não estou no Senado para fazer graça com a população’, diz Fávaro ao falar sobre voto contra teto de juros

Além de Fávaro, outros 13 senadores representantes de outros Estados votaram contra a proposta.

Eduarda Fernandes

‘Não estou no Senado para fazer graça com a população’, diz Fávaro ao falar sobre voto contra teto de juros

Carlos Fávaro

Foto: Reprodução

O senador Carlos Fávaro (PSD) rebateu as críticas que recebeu por ter sido o único representante de Mato Grosso a votar conta o PL 1.166/2020, que estabelece o teto de 30% ao ano para juros de cartão de crédito e cheque especial, durante o período pandemia de coronavírus. Em entrevista ao site Marreta Online, durante passagem por Rondonópolis no sábado (8), o parlamentar assegurou que o projeto é inconstitucional.

“Essa é uma medida que o Podemos, que vários senadores queriam há muito tempo emplacar, que é legítimo reduzir a taxa de juros. Mas tem que fazer de uma forma, de uma maneira que não fira a Constituição. O projeto é inconstitucional, é populismo aprovar um negócio hoje... Você sabia que a Câmara dos Deputados nem acatou o projeto? Ele já morreu, já acabou, não durou um dia. Esse projeto é inconstitucional, a forma que foi feita não existe. E eu não estou no Senado para fazer graça e populismo com a população”, declarou.

Leia também - Carlos Fávaro é empossado no Senado e fica até as eleições

Fávaro disse que os ataques que vem sofrendo por seu voto ocorrem devido à eleição suplementar ao Senado que se aproxima, sendo ele um dos candidatos. “Os adversários veem a capacidade que temos de interagir, trabalhar, nos dedicar no Senado, trazer resultados. Querem ficar procurando alguns motivos para ficar denegrindo na imprensa. Usando a politicagem para denegrir. Que isso gente? O projeto é inconstitucional. Agora, quando construirmos uma PEC de uma maneira que possamos melhorar o sistema para que possamos baixar as taxas de juros e o crédito acontecer para o cidadão, serei o primeiro a votar e trabalhar”, afirmou.

O senador destacou que em momento de eleições “as pessoas começam a usar politicagem para ludibriar o eleitor”. Neste contexto, prometeu ser sempre verdadeiro e a favor da população, “mas sem populismo, sem enganar a população com matérias que não vão dar resultado prático, mas que ficam dando discurso à população.

Além de Fávaro, outros 13 senadores representantes de outros Estados votaram contra a proposta.

Carlos Fávaro tomou posse como senador por Mato Grosso, em fevereiro deste ano. Ele assumiu a vaga deixada por Selma Arruda, que teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Permanece no cargo até 15 de novembro, quando será realizada a eleição suplementar.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet