Cuiabá, sábado, 24/10/2020
19:28:39
informe o texto

Notícias / Judiciário

11/08/2020 às 07:46

Indígenas que fraudaram auxílio-maternidade do INSS conseguem acordo com o MPF

Os Xavantes contaram com auxílio de uma enfermeira para fraudar documento de nascimento de duas crianças, dois anos seguidos

Camilla Zeni

Indígenas que fraudaram auxílio-maternidade do INSS conseguem acordo com o MPF

Foto: Agência Brasil

O procurador da República Guilherme Fernandes Ferreira Tavares, do Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF), determinou o início de tratativas para um acordo de não persecução penal contra quatro indígenas Xavantes e uma enfermeira, acusados de fraudes no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

De acordo com portaria publicada nesta segunda-feira (10), um mesmo casal aplicou dois golpes no INSS, dois anos seguidos, solicitando auxílio-maternidade indevido. A ação criminosa era sustentada por coordenadores técnicos, segundo o MPF.

O primeiro caso aconteceu em novembro de 2011, quando o casal apresentou documentos falsos e induziu o INSS ao erro, liberando o pagamento do auxílio em razão do suposto nascimento com vida do filho deles. Na época, o coordenador técnico local de Campinápolis (565 km de Cuiabá) autorizou a emissão de registro civil em nome do suposto filho. Com esse documento a família conseguiu lavrar uma certidão de nascimento e receber o benefício. 

Um ano depois, em dezembro de 2012, o mesmo casal indígena deu entrada em novo pedido de auxílio-maternidade. O MPF aponta que, também com documentos falsos, eles apresentaram o nascimento de outro bebê, que acabou atestado por uma enfermeira do Distrito Sanitário Especial Indígena Xavante, em Campinápolis. A mulher teria inserido em fichas de investigação de parto domiciliar informações falsas para justificar o suposto nascimento. Depois outro coordenador técnico local inseriu autorização para que a certidão de nascimento de índio fosse expedida. 

De acordo com o procurador, eles foram denunciados à Justiça Federal em maio de 2015, acusados de estelionato praticado em detrimento da Caixa Econômica Federal, em concurso com agentes e continuidade delitiva. Apesar disso, o membro do MPF apontou que o caso envolvendo o grupo se enquadra para acordo de persecução penal, normalizado em dezembro de 2019 com a aprovação da lei conhecida como "pacote anticrime", mobilizada à época pelo então ministro da Segurança e Justiça, Sérgio Moro.

Na prática, a lei permite que o órgão deixe de denunciar os acusados se eles cumprirem com um acordo, que pode envolver pagamento de multa e outras sanções. Contudo, o benefício só pode ser aplicado se o caso preencher requisitos como não ser crime praticado com violência ou grave ameaça, não ser caso de violência doméstica, e não envolver pessoa reincidente.

Segundo o MPF, para ter acesso ao acordo também é necessário que o acusado confesse a prática criminosa e que a pena do caso seja inferior a 4 anos.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet