Cuiabá, segunda-feira, 21/09/2020
01:39:02
informe o texto

Notícias / Geral

11/08/2020 às 14:20

Há quase 5 meses com aulas online, alunos de Veterinária querem reduzir mensalidade

Universidade está sem aulas presenciais desde 16 de março, devido à pandemia do novo coronavírus.

Eduarda Fernandes

Há quase 5 meses com aulas online, alunos de Veterinária querem reduzir mensalidade

Unic

Foto: Reprodução

Sem aulas presenciais desde 16 de março, devido à pandemia do novo coronavírus, estudantes do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Cuiabá (Unic) cobram que a instituição reduza o valor da mensalidade ou adote medidas para contornar a perda de aproveitamento das aulas que exigem ensino prático.

Ao Leiagora, a líder do 7ª semestre, Mariana Lima, 21 anos, explica que os alunos já buscaram diálogo com a instituição, mas obtiveram resposta de que nada pode ser feito, pois ainda que online, as aulas estão sendo ministradas. “Já fizemos pedidos para a reitoria, já fizemos abaixo assinado, nada resolve”.

Leia também - Empreendedoras lançam curso de marketing digital para campanha durante pandemia

A estudante pontua que o problema não é em relação aos professores e destaca que não tem o que reclamar neste sentido. "Gostaria de deixar bem claro que a equipe de professores e a coordenação são ótimos. De verdade, estamos vivendo numa situação de caos. Os professores são excelentes, e eles estão sendo prejudicados também".

Segundo Mariana, um dos problemas é sobre a carga horária. Ela destaca que se matriculou para um curso 100% integral, mas afirma que há poucas aulas na semana. “O segundo problema é a questão das matérias ofertadas, que são na grande maioria via EAD. Matérias essenciais, matérias práticas como anatomia, farmacologia, técnica cirúrgica via online. Sem contar, no valor exorbitante do curso, variando de 4 a 5.000 reais”, pontua.

Com a pandemia, todas as aulas passaram a ser ministradas remotamente. Contudo, Mariana lembra que “fora da pandemia já eram algumas presenciais e a maioria online”. Diante disso, a reivindicação é que a mensalidade seja reduzida ou que as aulas sejam 100% presenciais ao final do período pandêmico. “Que é o que pagamos, é o que compramos”.

O Leiagora entrevistou também o vice-líder de uma das turmas, que preferiu ter o nome preservado. “A gente conversou sobre preço em reunião com a instituição, mas eles batem o pé que não importa, que está tendo aula. Mas a gente não concorda com isso porque não estamos tendo aula prática. Esse semestre, para piorar, é o nosso último, é clínica de pequenos. Clínica, já fala o nome, temos que estar lá presencialmente e não vai ter aula presencial. Estamos pagando um valor absurdo tendo aula online. Não acho que tenha que ser o mesmo valor de mensalidade se não estamos em sala de aula, não estamos tendo aula prática”, cobra.

Outro aluno, que também preferiu não se identificar, conta que optou por trancar o curso diante da perda de aproveitamento com as aulas online em virtude da pandemia e da não redução do valor da mensalidade. “Para mim não ia ter um bom proveito, então preferi trancar. Até porque estou mais na parte prática do curso. Assinamos várias coisas, mas sem resposta da instituição. Isso é bem triste. Queria me formar junto com minha turma. Queria terminar tudo certinho, mas infelizmente não vai ser possível”, lamenta.

Outro lado
O Leiagora solicitou posicionamento à instituição sobre a situação e, em nota, a instituição alega que não houve redução de custos com as aulas online, que foram necessários investimentos em tecnologia para atender à demanda e estão respaldados por portarias do Ministério da Educação.

Veja a íntegra da nota abaixo:

A Unic Beira Rio suspendeu suas atividades presenciais para contribuir nas ações preventivas à propagação do COVID-19. Para manter a qualidade do conteúdo e garantir suporte total aos nossos alunos, as aulas estão sendo ministradas pelos professores de forma remota. Os docentes seguem utilizando a mesma estrutura das aulas presenciais e trabalhando em jornada integral para que não haja qualquer prejuízo ao currículo e calendário escolar, em total consonância com as Portarias nº 343 e 345*, de 17 e 19/03/2020 respectivamente, do Ministério da Educação. Não houve, portanto, qualquer redução de custos para a instituição, pois nossos professores continuam atuando na preparação e transmissão das aulas, bem como na elaboração de atividades e exercícios, oferecendo também todo o suporte pedagógico aos alunos. O professor interage em momentos que podem ser síncronos ou assíncronos, tirando suas dúvidas e orientando-os em seus estudos. 
 
A instituição esclarece, também, que investimentos adicionais precisaram ser direcionados à plataforma interativa como forma de viabilizar a transmissão das aulas online e os demais recursos oferecidos aos alunos. Por fim, o planejamento financeiro das instituições de ensino particulares, que ocorre antes do início das aulas, segue a regra imposta pela lei nº 9.870/1999 e, uma vez que o valor cobrado mensalmente corresponde a uma parcela do custo total do ano ou semestre letivo em curso.
 
 
A Unic Beira Rio informa que nas últimas semanas iniciou um intenso trabalho de pesquisa para estruturar a retomada gradual das atividades práticas, que está prevista para ainda esse mês de agosto, e os alunos serão comunicados com a devida antecedência.. As aulas práticas do curso de Medicina Veterinária de 20.1 serão repostas, os alunos serão inseridos nas atividades práticas gradativamente, respeitando as normas de biossegurança e os  decretos municipal e estadual, limitando a quantidade de alunos por turma e horário de funcionamento autorizado para prestação de serviços. A instituição reitera que não mede esforços para a adoção das melhores práticas educacionais, assim como a preservação da saúde e segurança de seus alunos e colaboradores.


Alunos de Medicina

Situação semelhante ocorre com os alunos do curso de Medicina. Sem ajuste de mensalidade, cobram retorno de aulas práticas. Estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade de Cuiabá (FMUNIC) chegaram a elaborar uma nota de repúdio pedindo retorno imediato aos campos de estágio, como o Hospital Geral de Cuiabá, além de uma data concreta para conclusão do curso. Eles se amparam no Decreto Municipal 8.025, do dia 31 de julho, que libera a volta das aulas a partir desta semanas, e dizem que irão buscar meios judiciais.

Leia também - Sem ajuste de mensalidade, alunos de Medicina da Unic cobram retorno de aulas práticas

Como resposta, a instituição informou que o retorno das aulas práticas e de estágio estava previsto para esta semana. Contudo, explicou que o cronograma disponibilizado pode sofrer alterações mediante os avanços da pandemia em Cuiabá, de forma que o retorno será feito em segurança para todos e respeitando o plano de biossegurança da unidade, cumprindo todos os protocolos recomendamos pelas autoridades de saúde.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet