Cuiabá, terça-feira, 20/10/2020
07:50:51
informe o texto

Notícias / Judiciário

13/08/2020 às 17:30

Alan Malouf deve explicar ao STF novo atraso em pagamento de delação

Essa não é a primeira vez que a Procuradoria aciona o Supremo contra o empresário mato-grossense

Camilla Zeni

Alan Malouf deve explicar ao STF novo atraso em pagamento de delação

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O empresário Alan Malouf, principal delator e articulador de um esquema de desvio de recursos da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), tem 15 dias para explicar ao Supremo Tribunal Federal (STF) o motivo de não estar cumprindo com o acordo de colaboração premiada.

A manifestação foi enviada à Corte pela Procuradoria-Geral da República (PGR), com quem Malouf firmou a delação premiada, no âmbito da Operação Rêmora. Segundo o órgão, o empresário teria com parcelas da delação em atraso.

“Cabe acolher o preconizado pela Procuradoria-Geral da República. Oficiem ao Juízo da Sétima Vara Criminal da Comarca de Cuiabá/MT. Solicitem as informações pretendidas. Intimem o colaborador, Alan Ayoub Malouf, para, no prazo de 15 dias, manifestar-se sobre o cumprimento das cláusulas do acordo”, determinou em despacho o ministro Marco Aurélio, relator da ação. A decisão, de 7 de agosto, foi disponibilizada na quarta-feira (12).

Essa não é a primeira vez que o STF pede informações para a Justiça Estadual sobre o cumprimento dos termos da delação premiada do empresário, firmada em agosto de 2018. No mês de maio deste ano a PGR fez o mesmo apontamento à Corte Superior, informando que Malouf teria atrasado ao menos duas parcelas o acordo.

Ao firmar a delação, o empresário se comprometeu a devolver R$ 5,5 milhões aos cofres estaduais, sendo que R$ 4,5 milhões seriam apenas de multas aplicadas pelo Ministério Público Federal. Do valor, R$ 3,3 milhões seriam pagos com a entrega de imóveis. Já a parte em dinheiro, de R$ 1,2 milhão, foi parcelada em 10 vezes, sendo que a última prestação seria no dia 31 de dezembro de 2022.

Ao Leiagora, a defesa do empresário, feita pelo advogado Huendel Rolim, informou que ainda não havia sido notificada da decisão e afirmou que a Justiça mato-grossense já havia informado ao STF que o pagamento da delação estaria em dia.

Delação

Alan Malouf firmou um acordo de delação ao relatar, em 20 anexos, o esquema de corrupção que envolveu o desvio de dinheiro na Seduc para pagamento de dívidas que sobraram da campanha eleitoral de 2014 do ex-governador Pedro Taques. Malouf era coordenador financeiro de Taques. 

O caso foi investigado na Operação Rêmora, que teve três fases e levou à prisão, entre outros investigados, o ex-secretário de Educação de Mato Grosso, Permínio Pinto.

Mesmo com o pagamento da delação, Malouf ainda foi condenado a 15 anos de prisão, sendo eles divididos da seguinte forma: 7 meses de prisão domiciliar, 1 ano e cinco meses no regime semiaberto e 13 anos no regime aberto diferenciado. Esse último não inclui o uso de tornozeleira eletrônica.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet