Cuiabá, terça-feira, 20/10/2020
07:12:31
informe o texto

Notícias / Política

14/08/2020 às 12:12

Partidos acionam Fávaro na Justiça por mensagens em massa e impulsionamento de posts

A medida seria uma estratégia de mídia do senador, que também vai concorrer nas eleições; para os partidos o caso é considerado pré-campanha

Kamila Arruda e Camilla Zeni

Partidos acionam Fávaro na Justiça por mensagens em massa e impulsionamento de posts

Foto: Assessoria

A utilização de redes sociais como estratégia de mídia por parte do senador interino Carlos Fávaro (PSD) fez com que o Partido Social Liberal (PSL) e o Partido Democrático Trabalhista (PDT) entrassem com duas ações no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) contra o social democrata. 

No caso do pedido do PSL, a medida é reflexo de disparos de publicidade em massa feitos por meio do aplicativo Whatsapp. Já o PDT apontou o uso de impulsionamento de publicações no Instagram e Facebook, o que, para o partido, seria possível gasto abusivo em período de pré-campanha. 

Os partidos pontuaram que, como Carlos Fávaro é pré-candidato ao Senado declarado, e atua de forma interina na vaga, o caso pode se configurar abuso de poder econômico.

O PSL pediu à Justiça que Fávaro preste informações sobre contrato de empresas para o serviço, todos os valores pagos e a fonte dos recursos. Já o PDT cobrou informações sobre o total gasto com o impulsionamento de postagens e quais foram essas publicações 

“Em que pese ser possível ao detentor de mandato eletivo a divulgação dos atos parlamentares, no presente caso, por tratar-se de pré-candidato ao Senado, cujo processo eleitoral está batendo à porta, tendo as postagens potencial de massificar o nome e angariar a simpatia e apoio do eleitorado, está sujeito às restrições estabelecidas para todos os demais pré-candidatos”, ressaltou o PSL na ação. Eles apontaram o uso de banners, imagens e vídeos enviados massivamente no Whatsapp. 

O partido afirma que disparos em massa “não se afigura lícito”, uma vez que a legislação eleitoral proíbe qualquer tipo de propaganda paga na internet, e que, “gastos excessivos no período pré-eleitoral comprometeriam a necessária isonomia entre os players, e evidenciaria abuso de poder econômico”.

O PSL também pediu que a Justiça Eleitoral acione as operadoras de telefonia móvel para que identifiquem os titulares das linhas utilizadas para disparo das mensagens, e que Fávaro seja impedido de continuar com o serviço.

Pedido negado
Na quarta-feira (12), o desembargador Sebastião Barbosa Faria analisou a primeira ação, movida pelo PDT e negou o pedido. Ele ponderou que não é possível deferir uma medida cautelar sem ouvir a outra parte, sob risco de “prejuízo irreparável ou de difícil reparação”.

O magistrado ainda observou que o partido não conseguiu comprovar risco em grau elevado a fim de justificar a violação de dados fiscais do senador neste momento, ou seja, o desembargador avaliou que, se for necessário, Fávaro poderá ser acionado em momento posterior para comprovar os dados solicitados, sem prejuízo “da prova desaparecer com a ciência da pretensão pelo requerido”.

“Como se viu, o que se deseja é a produção de prova documental, que poderá ser feita naturalmente, após a formação do contraditório, até porque o prazo de propositura da AIJE vai se esgotar apenas com a diplomação dos eleitos. Em razão disso, indefiro o pedido de tutela de urgência pleiteado”, decidiu.

O pedido do PSL, porém, ainda não foi analisado. 

Outro lado 

A reportagem entrou em contato com a assessoria de Fávaro, mas ele não irá se pronunciar sobre o fato. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet