Cuiabá, sábado, 24/10/2020
19:32:22
informe o texto

Notícias / Judiciário

09/09/2020 às 16:25

TCE manda Estado corrigir dispensa de licitação, mas nega suspender o processo

Empresa que presta serviço no Hospital Metropolitano acionou o TCE contra uma dispensa de licitação, alegando que poderia continuar fazendo o serviço

Camilla Zeni

TCE manda Estado corrigir dispensa de licitação, mas nega suspender o processo

Secretário de Saúde de MT, Gilberto Figueiredo

Foto: Christiano Antonucci/Secom

Dispensa de licitação movida pela Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso (SES) poderá continuar vigente, mas o secretário Gilberto Figueiredo terá que fazer correções que foram apontadas pela equipe técnica do Tribunal de Contas do Estado (TCE). A decisão foi do conselheiro Domingos Neto, nessa terça-feira (8).

A representação de natureza externa foi aberta pela empresa JF Serviços de Diagnósticos e Imagens Ltda, que presta serviços para o Hospital Metropolitano de Várzea Grande desde 2015, segundo a ação. Ela questiona a contratação de outra empresa especializada para serviço de diagnóstico por imagem e radiologia intervencionista.

A empresa alegou que, em razão do longo tempo que presta serviço, não haveria necessidade da SES abrir nova contratação para serviços que a empresa também oferece, principalmente porque a JF teria condições de ampliar a oferta de mão de obra para atender a demanda do hospital. 

Para pedir a suspensão da dispensa de licitação, a empresa também apontou algumas irregularidades que teriam sido cometidas pela Secretaria de Saúde, como incompatibilidade dos serviços de ultrassonografia com o enfrentamento da covid-19, contradição na previsão da carga horária, falta de assinatura em documento e não indicação do critério de escolha da empresa vencedora.

No entanto, para o Ministério Público de Contas e para o TCE, todos os erros apontados não passam de irregularidades simples, que podem ser sanadas pelo secretário sem prejuízo à contratação.

"Submetida à análise técnica da Secretaria de Controle Externo de Saúde e Meio  Ambiente, bem como do Ministério Público de Contas, ambos se manifestaram pela improcedência da presente representação externa, pois entendem que uma irregularidade formal, passível de correção, não é suficiente para anular o processo licitatório e gerar qualquer tipo de responsabilidade ao gestor público. Entretanto ressaltaram a importância em alertar o gestor quanto a necessidade de correção do vício identificado", diz trecho da decisão, publicada no Diário Oficial de Contas desta quarta-feira (9).

Em relação ao fato de que a empresa presta serviços há 4 anos, o conselheiro observou que não há direito subjetivo à prorrogação de contrato, porque nas hipóteses legais o gestor pode abrir dispensa de licitação para contratar novo fornecedor, a fim de dar continuidade aos serviços públicos. Ainda, que a não prorrogação do contrato não constitui violação  ou lesão aos direitos da empresa.

Sobre as outras irregularidades, apontou que a falta de assinatura na direção do hospital no termo de referência é uma falha formal, que pode ser corrigida por meio de uma emissão de nota de fiscalização, bem como a contradição das horas de serviço. Sobre a falta de definição quanto ao tipo de licitação, pontuou que a situação emergencial está amparada em diversos decretos e também em lei que dispõe sobre medidas de enfrentamento à covid-19. 

Quanto à incompatibilidade dos serviços, o conselheiro julgou que a empresa não conseguiu comprovar que o exame de ultrassonografia não pode ser aplicado para tratamento e diagnóstico de pacientes com covid-19, de forma que, portanto, não seria possível falar em irregularidade. 

Domingos Neto observou que o TCE já tem um procedimento de acompanhamento simultâneo aberto, e que nele foi determinado a correção das falhas apontadas, julgando improcedente, portanto, o pedido.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet