Cuiabá, quarta-feira, 23/09/2020
22:36:05
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

15/09/2020 às 13:59

Cuiabá desponta como a 4ª cidade que mais investe em energia solar no país

Especialistas avaliam condição climática extrema e alta incidência do sol na capital mato-grossense como favoráveis à expansão da atividade que já representa 1% de toda potência instalada no Brasil

Leiagora

Cuiabá desponta como a 4ª cidade que mais investe em energia solar no país

Foto: Divulgação

O sol escaldante pode ser fonte de riqueza. As condições climáticas extremas de Cuiabá, que neste mês bateu recorde de maior temperatura nos últimos 100 anos, aliada à alta incidência de luz, são fatores favoráveis à expansão da energia fotovoltaica solar. Com 7 megawatts (MW) produzidos, a cidade desbancou Brasília, Goiânia, Teresina e até Belo Horizonte, ficando em 4º lugar na produção de energia, o equivalente a 1% da potência nacional. 

Conforme o Dr. em Engenharia e Tecnologia de Materiais, Rodrigo Lopes Sauaia, cofundador e presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), mesmo durante a pandemia, o setor cresceu mais de 40% e tem sido uma das respostas para a reconstrução sustentável da economia brasileira, com a expectativa de “reforma tributária verde” e programas nos estados e municípios. 

“Hoje, nove em cada dez brasileiros gostariam de produzir a sua própria eletricidade renovável, por meio de sistemas solares fotovoltaicos e outras tecnologias, enquanto 84% dos consumidores consideram a tarifa cobrada na conta de luz cara ou muito cara no país. Isso reflete a preocupação da sociedade com o desenvolvimento econômico competitivo e sustentável no pós-pandemia”, avalia o especialista. 

Dados da Absolar mostram um cenário favorável para Mato Grosso, que é o 5º estado com mais projetos na área; e cuja produção de 211,4 MW representa 6,2% de toda geração nacional distribuída. “Além disso, o estado contabilizou R$ 1 bilhão em investimentos e gerou 6,3 mil empregos. No Brasil, foram investidos mais de R$ 31,8 bilhões e gerados 182 mil empregos desde 2012, só neste ano, até julho, foram 47 mil novos postos de trabalho em meio à crise da saúde”. 

Para o professor João Pedro Valente, presidente licenciado do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-MT), a transformação do cenário de produção de energia elétrica no estado nos últimos 20 anos é extremamente positivo, pois saiu de uma condição de “dependência” para superávit com exportação do excedente. Mais de 95% dessa energia vem de fontes renováveis, das quais ainda se destaca a de origem hídrica. 

“Temos um potencial imenso para explorar diversas áreas de produção de energia, como a biomassa, a energia solar fotovoltaica e também o gás natural, que precisam de programas de governo e podem ser desenvolvidos a partir de parcerias com a sociedade civil organizada (como Fiemt, Sebrae, Famato), universidades e a iniciativa privada para fomentar a produção e a distribuição mais acessível às indústrias e ao comércio, por exemplo”, explicou Valente, que conduziu o debate com especialistas em sua rede social no dia 10 de setembro e aposta em um Crea-MT protagonista. 

O professor Dr. em Engenharia Elétrica, Evandro Soares, reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), frisou que a energia solar é o futuro e que Mato Grosso tem grande potencial de produção no cenário brasileiro, portanto, há necessidade de um “marco legal” que ofereça respaldo aos investimentos e promova a universalização do acesso a partir de linhas de créditos e outras facilidades. 

“Temos que melhorar a divulgação dessas informações, para que os cidadãos saibam as vantagens econômicas e ambientais da energia solar, que também representa novos postos de trabalho e maior arrecadação ao governo. Na universidade temos um grupo de excelência à disposição, o Niepe (Núcleo Interdisciplinar de Estudos em Planejamento Energético), para ajudar neste e em outros projetos de geração de energia limpa e renovável”. 

Trabalho e negócios – Entre os 6,3 mil empregos gerados em Mato Grosso no setor da energia solar, mais da metade são na área de instalação, o restante se divide entre engenheiros de produção, engenheiros eletricistas, civis e ambientais, responsáveis por análises e projetos estruturais das edificações que receberão o sistema, preparação de terrenos, licenciamento ambiental e gestão do negócio. “Do total de 15 mil empresas no país, a maioria começou com um ou dois engenheiros em sociedade”. 

Avanço histórico – Se em 2012 a potência instalada no país todo era de 7 MW, em 2020, o Brasil alcançou a marca de 6 GW, ou 6.000 MW. O país saltou do 27º para o 16º lugar do ranking mundial de energia fotovoltaica feito pela International Renewable Energy Agency (IRENA) e está entre os 20 países líderes em capacidade instalada. Apesar desse crescimento, a fonte solar ainda representa menos de 2% da matriz elétrica brasileira, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “Sem dúvida precisamos de uma política de estado para atender o setor, pois a energia solar é a bola da vez na economia”, finalizou professor. 

 
Da assessoria

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet