Cuiabá, sexta-feira, 30/10/2020
16:14:32
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

22/09/2020 às 17:13

Imac traça raio-X dos mercados da carne para aumentar exportações

Em rodada de diálogo com adidos agrícolas, o Instituto Mato-grossense da Carne (Imac) identifica potenciais parceiros e define prioridades de ação

Leiagora

Imac traça raio-X dos mercados da carne para aumentar exportações

Foto: Divulgação

O Instituto Mato-grossense da Carne (Imac) encerrou hoje um ciclo de debate virtual com 17 países. A extensa agenda integrou o 2º Encontro dos Adidos Agrícolas Brasileiros, organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ministério das Relações Exteriores (MRE) e da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex). O resultado foi um verdadeiro raio-X sobre mercados consolidados e com potencial para a carne estadual.

“Ouvimos, conhecemos um pouco mais e trocamos informações com os quatro cantos do mundo – um exercício que nos abriu a mente”, observa Caio Penido, presidente do Imac. Ao lado do diretor de operações do instituto, Bruno de Jesus Andrade, Penido construiu um painel de análise sobre demanda, preferências comerciais e focos de atuação para a entidade – que reúne em seu board pecuaristas e indústrias frigoríficas de Mato Grosso, além do Governo do Estado, com foco em promover a carne mato-grossense.

Dentre todos os países, a equipe do Imac concluiu que o principal bloco é aquele formado por países asiáticos, com destaque para a China, caracterizado pela demanda firme por carne bovina. “O foco desses compradores é quantidade e sanidade”, resume Penido. Embora não tenham o hábito tradicional de consumirem carne vermelha, países como Indonésia, Cingapura e Tailândia – além de China, Hong Kong e Egito – são mercados em ascensão e grandes destinos turísticos que têm, ano a ano, ampliado o uso da proteína.

Outra característica em comum é que são nações que respeitam e validam as legislações brasileiras ambiental, fundiária, trabalhista, sem imposição de barreiras comerciais. “É o bloco prioritário para o Imac e para o mercado da carne mato-grossense. Mantendo os volumes de compra e a premiação dada pelos chineses para o chamado ‘boi China’, asseguramos uma base econômica para que a intensificação da atividade se expanda ainda mais em Mato Grosso e no Brasil”, afirma o presidente do instituto.

Peru e Colômbia foram a grata surpresa da rodada de diálogo com os adidos. Penido explica que, embora o foco inicial da conversa tenha sido criar uma aliança para trabalhar a imagem da produção de alimentos em países e estados amazônicos, foi possível constatar que há mercado aberto para a carne bovina no Peru. “É um mercado interessante, que está próximo de nós e cuja demanda vem sendo atendida pelos Estados Unidos e países europeus. O consumo está crescente e a produção nacional é pequena. Ou seja, basta nos apresentarmos”.

Inglaterra, Bélgica e a representação brasileira junto à Organização das Nações Unidas para a Alimentação (FAO) também foram incluídas na pauta de diálogos tendo como principal aspecto em comum o desafio da imagem mundial sobre a produção de proteína animal no Brasil. “Mercado propriamente dito é de nicho, focado em uma carne de alta qualidade e com garantia de sustentabilidade. Mas a comunicação com esses países e com a FAO é essencial porque são formadores de opinião sobre o nosso produto”, argumenta Penido.

O comércio com países europeus geralmente é marcado por protecionismo e barreiras ambientais. “Nosso papel é mostrar o quão sustentável já é a carne mato-grossense e informar tecnicamente as distinções entre o modelo produtivo brasileiro e de outros países”, pontua o presidente. Entre os argumentos, a necessidade de se falar em balanço de carbono ao invés de emissões de carbono na pecuária brasileira, por exemplo.

“Ao contrário de países do hemisfério Norte, em Mato Grosso temos a predominância do modelo de ‘boi a pasto’ e pelo menos dois grandes diferenciais em relação ao CO². O primeiro é que podemos reduzir a idade de abate dos nossos animais e, dessa forma, diminuir o volume de gases de efeito estufa por arroba. O segundo ponto é que a intensificação de pastagens degradadas gera mais alimento e fixação de carbono no solo. Além disso, temos a possibilidade de integrar a atividade pecuária com outras culturas, como a lavoura e a floresta. Tudo isso, assim como a legislação ambiental brasileira, precisa ser considerado nessa equação ambiental, e vejo muitas oportunidades para a nossa carne”, explica Penido.

O papel dos adidos agrícolas é defender os interesses da agropecuária nacional junto aos principais parceiros comerciais do Brasil. De 14 a 21 de setembro, o Imac se reuniu com representantes da África do Sul, Arábia Saudita, Canadá, China, Cingapura, Colômbia, Coreia do Sul, Egito, Estados Unidos, Indonésia, Japão, México, Missão Permanente junto à União Europeia na Bélgica, Peru, Rússia, Tailândia e Vietnã e Missão Permanente junto à FAO em Roma.

Detentor do maior rebanho bovino do País, Mato Grosso é o maior produtor de carne bovina no Brasil. No primeiro trimestre de 2020, produziu 326,68 mil toneladas da proteína. No ranking de exportações, ocupa o segundo lugar, atrás de São Paulo.
Ascom Imac

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet