Cuiabá, sexta-feira, 30/10/2020
14:30:18
informe o texto

Notícias / Política

23/09/2020 às 19:24

‘Estava na hora errada e lugar errado’, diz Emanuel ao chamar vídeo do paletó de armação

Declaração foi feita em coletiva de imprensa virtual realizada na tarde desta quarta-feira (23).

Eduarda Fernandes

‘Estava na hora errada e lugar errado’, diz Emanuel ao chamar vídeo do paletó de armação

Emanuel Pinheiro

Foto: Marcus Mesquita

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) afirmou que o vídeo no qual aparece colocando maços de dinheiro no paletó foi uma armação do ex-governador Silval Barbosa e seu chefe de gabinete Sílvio César Corrêa de Araújo, ambos delatores de esquemas de corrupção em Mato Grosso. Em coletiva de imprensa virtual realizada na tarde desta quarta-feira (23), ele disse que foi ao gabinete de Sílvio para receber uma dívida de seu irmão, o empresário Marco Polo de Freitas Pinheiro, conhecido como Popó.

“Vou provar que esse dinheiro era que o delator Sílvio devia ao meu irmão Popó. Eles estavam numa briga violenta, quase chegando às vias de fato pelo atraso, então fiz isso. Estava na hora errada e lugar errado. É a palavra de um réu confesso contra a minha. É incontroverso que Sílvio devia para Popó. Existe até ação de execução dessa dívida”, assegurou Emanuel.

Leia também - Emanuel nega interferência em candidatura do filho e pede respeito

O prefeito declarou que Silval e Sílvio o acusaram para dar robustez à delação. Segundo denúncia do Ministério Público Federal (MPF), que foi recebida pelo juiz da 5ª Vara Federal de Mato Grosso, Jeferson Schneider, deputados estaduais teriam recebido uma espécie de “mensalinho” no valor de R$ 600 mil, que teriam sido divididos em 12 parcelas de R$ 50 mil para garantir a governabilidade de Silval na Assembleia Legislativa.

“Falei lá atrás, quando surgiu o vídeo. Falei, não me ouviram. Existia um desejo da oposição de me massacrar, mas não me ouviram. O processo corria em sigilo, eu não podia falar muito, mas agora vou usar todos meus argumentos e provas para provar minha inocência em todo esse mar de lama que é a delação de Silval”, pontuou.

Emanuel ainda aponta que a Polícia Federal confirmou a existência da dívida. “Ele vai ter que provar que era mensalinho e eu vou provar que não era, tenho provas testemunhais. Era parte de uma dívida de Silval e Sílvio com meu irmão”, acrescentou.

O chefe do Executivo municipal reconhece que as imagens dos deputados recebendo dinheiro são fortes e lamentáveis, mas reclama da “condenação antecipada” que sofreu e promete provar sua inocência. “Tenho 32 anos de vida pública. Nenhuma mácula. Esse vídeo é a mácula. Será que não fiz nada antes e depois? Olha minha gestão, só carinho e dedicação. A não ser essa armação que me envolveram. Não sei quem é culpado, não entro nesse mérito. Entrei na armação porque o delator não pode mudar o depoimento. Delatores mentem, inventam, pegam os de maior destaque para sustentar sua tese para sair da cadeia. Vai ser palavra de réu confesso contra minha que tenho 32 anos de vida pública e só tenho essa mácula”, concluiu.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Sagaz 24/09/2020 às 00:00

    Sei, hora e local errado só? A atitude Corrupta de Corruptos x Corruptores, com uma ação que serve como é a vida de alguns mal intencionados em limpar os cofres públicos é Legal e bem Moral pelo jeito, né? O Acusado exige respeito pelos seus, mas, não respeita nem quem te apoiou na última eleição, o vice, que o diga! E para não esquecer o gestão Humanizada né existe uma série de escândalos de corrupção de seus bons secretários... Haja Oxigênio e gente desinformada pra votar em um Sujeito desse!

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet