Cuiabá, quarta-feira, 25/11/2020
15:17:58
informe o texto

Notícias / Política

12/10/2020 às 13:28

Coligação de Leitão pede que Fávaro pague R$ 390 mil por descumprir ordem de juiz

Conforme relatório emitido pela empresa de monitoramento contratada pela coligação de Leitão, “a ilegalidade já foi perpetrada 39 vezes desde a intimação”

Eduarda Fernandes

Coligação de Leitão pede que Fávaro pague R$ 390 mil por descumprir ordem de juiz

Foto: Assessoria

A Coligação Mato Grosso Por Inteiro, do candidato ao Senado Nilson Leitão (PSDB), pediu ao juiz Ciro José de Andrade Arapiraca que aplique multa de R$ 390 mil ao candidato ao Senado Carlos Fávaro (PSD) por conta da propaganda veiculada por ele.

Na sexta-feira (9), o magistrado acolheu o pedido da coligação e determinou que Fávaro fizesse adequações no programa porque o governador Mauro Mendes (DEM) ultrapassou o tempo permitido em lei para a fala dos apoiadores.

Leia também - Medeiros troca suplente novamente e produtor rural assume vaga

Em novo pedido enviado ao juiz nesse domingo (11), a coligação aponta que mesmo após a devida notificação, Fávaro continuou veiculando a propaganda declarada ilegal. “Certo é que os Representados faltaram com a verdade perante essa Justiça Especializada, afinal a propaganda reconhecida como ilegal continua a ser fartamente veiculada no programa exibido no dia 09.10.2020 no período da noite e nos espaços das inserções de propaganda eleitoral gratuita na TV desde então, em completo menoscabo do que aqui foi decidido”, afirma a coligação.

Conforme relatório emitido pela empresa de monitoramento contratada pela coligação de Leitão, “a ilegalidade já foi perpetrada 39 vezes desde a intimação”.

No dia em que o juiz proferiu a decisão, a assessoria de Fávaro informou ao Leiagora que iria fazer os ajustes no vídeo.

Outro lado
Por meio de nota, a assessoria de Fávaro informou desta vez que todos os arquivos já foram ajustados, mas a entrega desses materiais às emissoras é permitida somente em dias úteis, de acordo com as normas do TRE. 

"A coligação foi notificada sobre a decisão que determinou o ajuste na sexta-feira à noite, já fora do prazo para troca do material junto às emissoras. O juiz eleitoral que concedeu a liminar, por sua vez, optou por não notificar as emissoras para que suspendessem a veiculação - ação que apenas as emissoras têm o poder para executar", explica a nota. 

O comunicado segue pontuando que os procedimentos definidos pela decisão liminar foram integralmente cumpridos pela coligação Fazer Mais por Mato Grosso,  dentro dos prazos normatizados, e serão devidamente entregues na terça-feira (14)0, para as próximas veiculações. "Não existe,  portanto, nenhuma razão para multas", conclui. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet