Cuiabá, quarta-feira, 28/10/2020
19:48:00
informe o texto

Notícias / Judiciário

13/10/2020 às 17:29

Justiça indefere ações contra Emanuel por autopromoção por meio da prefeitura

Denúncias foram levadas pela coligação de Abílio, que também concorre à Prefeitura de Cuiabá

Camilla Zeni

Justiça indefere ações contra Emanuel por autopromoção por meio da prefeitura

Foto: Marcus Mesquita/Assessoria

O juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto, da 1ª Zona Eleitoral de Mato Grosso, julgou improcedente dois pedidos movidos contra o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), por uso da máquina pública nessa campanha eleitoral.

Um dos pedidos foi feito pelo diretório municipal de Cuiabá do Cidadania, que tem o vereador Felipe Wellaton como candidato a vice-prefeito. Nele, o partido alega que Emanuel usou a pandemia da covid-19 para, "maliciosamente, se promover com recursos públicos". 

Conforme a ação, no dia 23 de agosto, pouco depois das 20h50, foi veiculado, no intervalo do Fantástico, uma propaganda institucional na qual apresentava os esforços da prefeitura para melhorias na saúde. O partido pediu o fim da divulgação do material, o que foi indeferido de forma liminar. 

O juiz, porém, observou que emenda constitucional aprovada em julho abriu uma exceção para as eleições deste ano: a possibilidade de publicidade e divulgação de ações de enfrentamento e orientação à população em torno da pandemia. Dessa forma, segundo pontuou Fidelis, a propaganda veiculada pela prefeitura estaria regular.

"Para que o material veiculado, ora combatido, possa ser considerado como propaganda eleitoral vedada, é necessário que ele seja voltado para o convencimento do eleitor, visando angariar votos, sendo imprescindível identificar o pedido expresso de voto", explicou o juiz.

Problemas com placas

Já a segunda ação foi movida pelo candidato do Podemos a prefeito, Abílio Júnior. A denúncia aponta que Emanuel estaria violando a legislação eleitoral ao manter e promover publicidade institucional e fazer autopromoção com seu nome em placas públicas e bens móveis da prefeitura.

Abilio apresentou à Justiça uma placa de inauguração localizada na praça do bairro Dr. Fábio, e um adesivo institucional fixado em um carro da prefeitura municipal. Com isso, pediu uma liminar para que as irregularidades sejam cessadas e que as placas que veiculem propaganda institucional sejam retiradas.

No entanto, em relação a esse pedido, o juiz observou que os materiais questionados pelo concorrente, na verdade, tratam-se de um fundo verde com o brasão do município, sem slogan ou indicação pessoal, "não havendo que se misturar propaganda institucional com a de cunho eleitoral".

"Melhor sorte não logra o representante ao indicar a retirada do banner, que acosta as coletivas do atual prefeito, posto que o mesmo, de igual modo, traz o brasão do Município de Cuiabá, sem qualquer menção à pessoa do representado. Não há, portanto, ainda que em juízo sumário de cognição, divulgação de atos, imagens ou representações que indiquem a candidatura do representado, tampouco indícios do uso do erário para fins distorcidos”, observou.

Dessa forma, o juiz também negou esse pedido feito por Abílio. Ele deu 48 horas para que o candidato apresentasse manifestação sobre essa decisão. 

Os dois despachos foram assinados pelo juiz na última sexta-feira (9).

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet